A incrível regularidade da evolução de Bruno Fratus

17/12/2015

Facebook Twitter

Alguns foram os destaques do primeiro dia de disputas do Open CBDA, na piscina da Unisul, em Florianópolis, primeira das duas competições válidas para os nadadores brasileiros para obtenção de índice olímpico.

Entre eles, os índices conseguidos por Leonardo de Deus nos 200m costas (1min57s43) e por Daiane Becker nos 50m livre na abertura de revezamento (25s28), o recorde sul-americano nos 1500m livre do equatoriano Esteban Enderica (15min09s82) e a vitória de Joanna Maranhão nos 800m livre com o melhor tempo da história do país sem trajes (8min35s93), atrás somente de seu recorde brasileiro de 8min32s96 de 2009.

O maior destaque, no entanto, foi para um tempo que daria medalha em todas as recentes competições internacionais, incluindo a prata nos últimos dois Mundiais e Jogos Olímpicos.

Alguns nadadores se destacam pela regularidade. Outros, pela evolução. Bruno Fratus é daqueles raros que se fazem notar justamente pela regularidade da evolução.

Com seu 21s37 abrindo o revezamento, consegue o melhor tempo da carreira e tem o segundo melhor tempo do mundo do ano.

 

Bruno Fratus - Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Bruno Fratus – Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

 

Acompanhe seus melhores tempos por ano nos 50m livre desde 2010, quando entrou na elite internacional com o quarto lugar no Pan-Pacífico:

2010: 21s93

2011: 21s76

2012: 21s61

2013: 21s80

2014: 21s41

2015: 21s37

À exceção de 2013, ano em que foi prejudicado por uma contusão e cirurgia no ombro (sequer disputou o Mundial naquele ano), não houve ano em que ele não melhorasse.

Apenas ele, Cesar Cielo e Nathan Adrian vêm nadando abaixo de 22s em todas as temporadas desde 2010.

E mais: a cada ano, seu tempo nos 50m livre sempre abaixa na casa dos décimos. É quase intuitivo imaginar que seu tempo em 2013, não tivesse tido problemas físicos, teria sido na casa dos 21s5.

É até possível prever algo como 21s2 para o ano que vem. Tempo que certamente brigará pelo ouro olímpico.

Ou, quem sabe, um 21s2 já para a prova individual no próximo sábado?

Por Daniel Takata

Tags

Bruno Fratus CBDA índice olímpico Torneio Open