A lição de Leo de Deus

Após quase ficar de fora do Pan, o nadador brasileiro conquistou um tricampeonato histórico nos 200m borboleta

07/08/2019 - Daniel Takata

Facebook Twitter
Leonardo de Deus e sua terceira medalha de ouro em Pans nos 200m borboleta (foto: Sergio Moraes/Reuters)
Leonardo de Deus e sua terceira medalha de ouro em Pans nos 200m borboleta (foto: Sergio Moraes/Reuters)

Leonardo de Deus e sua terceira medalha de ouro em Pans nos 200m borboleta (foto: Sergio Moraes/Reuters)

Leonardo de Deus e sua terceira medalha de ouro em Pans nos 200m borboleta (foto: Sergio Moraes/Reuters)

Foram três tricampeonatos do Brasil que marcaram a primeira noite das finais da natação nos Jogos Pan-Americanos de Lima, ontem.

O primeiro: João Gomes Júnior garantiu o tri para o Brasil nos 100m peito – Felipe França havia vencido em 2011 e 2015.

É bom que se lembre que João tentou, e não conseguiu, fazer parte das seleções brasileiras que disputaram os Pans de 2007, 2011 e 2015.

Também não se classificou para as Olimpíadas de 2008 e 2012.

João Gomes Júnior no pódio dos 100m peito (foto: Jonne Roriz/COB)

Aos 30 anos, conseguiu finalmente disputar os Jogos Olímpicos de 2016.

E, na 5ª posição nos 100m peito, conseguiu o melhor resultado do Brasil em provas individuais na piscina.

Agora, aos 33, chega ao seu primeiro Pan.

E, na primeira prova, leva o ouro.

Uma história de fé e perseverança.

E, por isso, as lágrimas totalmente compreensíveis no alto do pódio.

Outro tricampeonato veio no revezamento 4x100m livre masculino.

Breno Correia, Bruno Fratus e Marcelo Chierighini comemoram no 4x100m livre (foto: Pedro Pardo/AFP)

Não que o Brasil tenha se sagrado três vezes campeão da prova.

Foi muito mais do que isso. Mais precisamente, seis títulos consecutivos desde 1999.

Dessa vez com Breno Correia, Marcelo Chierighini, Bruno Fratus e Pedro Spajari, que não deram chances aos americanos, que contavam com o campeão olímpico Nathan Adrian.

A equipe brasileira superou o recorde de campeonato, o único do primeiro dia.

O tricampeonato particular veio com Bruno: fazia parte das equipes de 2011 e 2015.

E também vimos, sobretudo, Leonardo de Deus conquistar o tricampeonato dos 200m borboleta.

Veja a significância do feito: apenas outros dois nadadores na história haviam sido tricampeões em provas individuais em Pans.

A canadense Joanne Malar nos 200m medley e o brasileiro Fernando Scherer nos 50m livre, coincidentemente nas mesmas edições (1995, 1999 e 2003).

A conquista ganha contornos mais épicos se considerarmos que Leonardo quase não foi convocado para o Pan.

Pelo critério de seleção da CBDA, a princípio ele não comporia a seleção brasileira pelo seu desempenho no Troféu Brasil, em abril.

Estava em uma condição, digamos, de primeiro reserva.

Com o corte de Gabriel Santos, ele foi convocado a menos de três semanas da disputa.

Ele soube que iria nadar o Pan enquanto estava concentrado no Campeonato Mundial, em Gwangju, na Coreia do Sul.

Ou seja, provavelmente não havia feito uma preparação específica para o Pan.

Mas pessoas de sucesso focalizam oportunidades, enquanto as outras focalizam obstáculos.

Leonardo de Deus e sua terceira medalha de ouro em Pans nos 200m borboleta (foto: Sergio Moraes/Reuters)

Anotem essa lei universal: “aquilo que você focaliza se expande”.

Como as pessoas bem-sucedidas estão sempre voltadas para as oportunidades, elas costumam aparecer.

E outra característica dessas pessoas é estarem prontas para as oportunidades.

Fazer limonadas com qualquer limão que a vida lhes ofereça.

Foi o que fez Leonardo de Deus ontem.

De não convocado para o Pan a autor de um feito histórico na competição.

Ele desejava o tri mais que tudo. E, por maiores que fossem os obstáculos, ele veio.

“Concentre-se nas oportunidades e você terá oportunidades. Concentre-se nos obstáculos e você terá obstáculos.”

Adivinhem no que Leo de Deus focou?

Por Daniel Takata

Tags

Bruno Fratus João Gomes Júnior Jogos Pan-Americanos Leonardo de Deus Marcelo Chierighini

Daniel Takata

Redator da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas