A luta pela inclusão na natação americana

Aos poucos nadadores negros vão conseguindo destaque e espaço na equipe da maior potência mundial da modalidade

08/06/2020 - Alexandre Pussieldi

Facebook Twitter
Simone Manuel - Foto: Divulgação
Simone Manuel - Foto: NBC/Reprodução

Simone Manuel - Foto: NBC/Reprodução

Simone Manuel - Foto: Divulgação

* Publicado originalmente na Best Swimming no dia 3 de junho de 2020

Uma das grandes preocupações da USA Swimming tem sido a falta de diversidade no seu corpo de filiados. Os Estados Unidos tem uma população de 321,4 milhões de habitantes dos quais 13,2% são negros. Na USA Swimming, a federação de natação, são 339.903 membros e apenas 3.492 são negros, um total de 1%.

Existem programas específicos com benefícios para aumentar a prática do esporte nas classes mais baixas e áreas de maior vulnerabilidade. Um destes documentos, aponta que 70% da população negra dos Estados Unidos não sabe nadar, e a cada dia morrem 10 pessoas afogadas no país.

Cullen Jones, Simone Manuel são algumas das estrelas americanas que tem sido utilizadas no programa de incentivo e aumento da popularidade da natação na população negra. O programa inclui aulas de natação nas comunidades, clínicas, visitas a escolas e entidades. Até mesmo um swim camp exclusivo para minorias foi criado há alguns anos.

Cullen Jones – Foto: Michael Sohn/AP Photo

Alguns nadadores negros de destaque na natação americana:

Maritza Correia: foi a primeira nadadora negra americana a integrar a seleção americana olímpica, a bater um recorde mundial e ganhar uma medalha olímpica. Correia estava no time que foi medalha de prata no 4×100m livre dos Jogos de Atenas em 2004.

Simone Manuel: foi a primeira campeã olímpica negra da história. Campeã dos 100m livre nos Jogos do Rio em 2016. No Campeonato Mundial de Gwangju, no ano passado, se tornou na maior medalhista da história em uma edição de Mundial com sete medalhas.

Lia Neal: integrante do time americano nos Jogos do Rio-2016, foi a segunda negra medalhista olímpica fazendo parte do revezamento nos Jogos de Londres em 2012. No NCAA de 2015, Simone Manuel, Lia Neal e Natalie Hinds fizeram o primeiro pódio completo da história da natação universitária americana ocupando os três primeiros lugares dos 100 livre.

Natalie Hinds: atleta da Universidade da Flórida e medalhista de bronze nas 100 jardas livre do NCAA de 2015.

Lia Neal, Simone Manuel e Natalie Hinds – Foto: NCAA/Reprodução

Cullen Jones: primeiro nadador negro a quebrar um recorde mundial no 4×100m livre do Pan-Pacífico de 2006. Segundo nadador negro a ser medalhista olímpico com ouro no 4×100m livre dos Jogos de Pequim em 2008.

Anthony Ervin: primeiro nadador descendente de negro a ser campeão olímpico, nos Jogos de Sydney-2000. Filho de pai negro e mãe branca, Ervin venceu os 50m livre em Sydney e voltou a vencer em 2016, no Rio.

Sabir Muhammad: primeiro nadador negro americano a vencer uma medalha em Campeonatos Mundiais. Foi bronze nos 50m borboleta e prata no 4×100m livre do Campeonato Mundial de piscina curta em Atenas, na Grécia, em 2000.

Jeff Commings: primeiro nadador negro americano a ganhar uma medalha internacional pela seleção. Foi bronze nos 100m peito dos Jogos Pan Americanos de Havana, Cuba, em 1991.

Confira abaixo uma campanha da USA Swimming de 2018 sobre inclusão dos negros na natação:

 

Tags

Alexandre Pussieldi Best Swimming natacao natação americana racismo Simone Manuel USA Swimming

Alexandre Pussieldi

Editor-chefe da Best Swimming e colunista da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas