A perseverança de Etiene Medeiros

Nadadora supera decepção nos 50m costas e conquista o bronze nos 50m livre no Mundial de Hangzhou

16/12/2018 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter

Na sexta-feira Etiene Medeiros estava confiante que conseguiria avançar para a final dos 50m costas no Mundial. Afinal buscava o tricampeonato consecutivo e era a atual recordista mundial na distância em piscina de 25 metros. Porém, uma patinada na hora da largada enterrou o sonho do tri e a brasileira não conseguiu se recuperar a tempo. Ainda assim fez o 15º tempo. Um vacilo que raramente acontece com atletas experientes.

“Eu caí do bloco e não consegui reagir. Ainda estou sem reação. Esse tipo de coisa não tem como a gente prever ou inventar desculpas. Acontece”, disse após a prova sem fugir da responsabilidade e sabendo que ainda teria outra oportunidade de garantir uma medalhas.

Etiene Medeiros – Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Dois dias depois a chance de se recuperar chegou. Final dos 50m livre. A brasileira entra na piscina para cair na raia de número 3, referente ao terceiro melhor tempo das semifinais, quando havia superado o recorde sul-americano e igualado o recorde das Américas: 23s82. O tempo lhe credenciava ao pódio. A concorrência era pesada. As holandas Ranomi Kromowidjojo e Femke Heemskerk e a americana Mallory Comerford.

Etiene sabia que para ganhar uma medalha teria que ser mais veloz do que na semifinal e que não poderia vacilar como nos 50m costas. Depois de 23s76, uma prova impecável. Novo recorde sul-americano. Novo recorde das Américas. E medalha de bronze na prova onde ela havia feito a final olímpica no Rio-2016. A volta por cima havia sido dada.

Pódio dos 50m livre – Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Foi sua sexta medalha em Mundiais de curta e de longe a mais significativa, afinal os 50m livre fazem parte do programa dos Jogos Olímpicos, algo que os 50m costas não fazem. Etiene tem consciência disso. Afirmou que não vai abandonar os 50m costas, mas que sabe da importância dos 50m livre e que sente que pode chegar em Tóquio-2020 entre as cotadas para conquistar uma medalha.

Ao subir no pódio em Hangzhou, Etiene mostra uma poderosa força mental de superar uma falha terrível. E revela também uma grande perseverança mostrando que sempre é possível se recuperar para conquistar o sucesso.

Tags

Etiene Medeiros Hangzhou Mundial de curta natacao

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas