A relevância da natação feminina em águas abertas

Uma das principais nadadoras de ultramaratona do Brasil, Sabrina Mazzola será embaixatriz do projeto Viva a Aventura

15/07/2019 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Vista da Ilha Vitória - Foto: Reprodução
Sabrina Mazzola - Foto: Micael Hocherman

Sabrina Mazzola - Foto: Micael Hocherman

Vista da Ilha Vitória - Foto: Reprodução

Uma das principais características da natação brasileira em águas abertas é o fato da modalidade ter muito sucesso entre as mulheres. A única medalha olímpica do Brasil na maratona aquática foi conquistada por uma mulher (Poliana Okimoto, bronze no Rio-2016). E em todos os pódios das águas abertas em Campeonatos Mundiais de Esportes Aquáticos as mulheres estiveram presente (11 em provas individuais com Poliana e Ana Marcela Cunha e mais duas medalhas em revezamento misto). Um sucesso que não se reflete apenas entre as atletas profissionais, mas também entre as demais nadadoras espalhadas pelo Brasil.

Observamos isso nas provas e circuitos de águas abertas que acontecem no país onde a participação das mulheres é cada vez maior em várias categorias. Algumas delas acabam se destacando e tornado-se referência para novas atletas que se iniciam na modalidade. Uma delas é Sabrina Mazzola. Natural de Porto Alegre, a gaúcha teve seu primeiro contato com as piscinas ainda bebê aos seis meses de idade. A partir dai não parou mais e competiu por muitos anos pelo Grêmio Náutico Gaúcho entre provas em piscina e posteriormente nas águas abertas.

Sabrina Mazzola – Foto: Arquivo pessoal/Instagram

Em seu currículo já realizou provas de ultramaratona aquática como a Maratona Aquática 14 Bis de 24 km, a Travessia do Leme ao Pontal de 36 km e a Ultramaratona Aquática Ilha do Mel de 20 km em 2017, o Desafios Aquaman Ultra de 17 km em 2018 e a Travessia Ilha do Arvoredo de 25 km este ano. Seu próximo desafio será o Amazon Challenge de 30 km em 2020. Hoje é a principal nadadora de ultramaratonas do Rio Grande do Sul e devido a seu sucesso recebeu um convite para ser embaixatriz do projeto Viva a Aventura, idealizado pelo ex-surfista e nadador de águas abertas, Ricardo Augusto. A ação se resume a expedições e passeios aquáticos por locais exóticos do litoral paulista tendo início pela Ilha Vitória, localizada próxima a costa de Ilha Bela.

“É uma honra para mim ter a oportunidade de trazer mais gente para esse nosso esporte maravilhoso e poder conhecer pessoas e lugares novos. Nunca fui oficialmente embaixatriz de nenhum projeto, mas já pensaram que eu fosse até mesmo organizadora de alguns eventos devido ao meu entusiasmo em relação a eles. Quando gosto, confio e admiro um evento acabo divulgando quase como se fosse meu, pois acho que todos merecem viver belas experiências”, disse a nadadora que também é professora, tradutora e intérprete de italiano.

Vista da Ilha Vitória – Foto: Reprodução

Sabrina espera que esta iniciativa dê certo e ajude não só na divulgação das águas abertas para novos praticantes, mas também na conscientização ambiental que em sua opinião é de grande importância. “O projeto é muito especial, porque proporciona nados em locais exóticos, estimulando a conscientização da preservação ambiental e a integração entre os participantes. Não é sempre que temos a oportunidade de nadar em volta de uma ilha preservada com toda a segurança e conforto como acontecerá no desafio da Ilha Vitória. Pessoalmente, estou muito ansiosa”, conta a nadadora que tem apoio da FocoFisioPilates com serviço de fisioterapeuta e nutricionista.

Ela já nadou em diversos locais do país e o litoral de São Paulo é um dos que mais gosta. “Sou apaixonada pelo litoral paulista, onde já nadei diversas vezes e fiz muito turismo. Contudo percebo que poucos aqui no Rio Grande do Sul conhecem e sabem o quanto é lindo a região. Muitos ficam surpresos quando falo de lá. Agora espero não só falar, mas de fato levar pessoas para o litoral paulista e ser a ponte entre os gaúchos e paulistas”, diz a nadadora que também espera ver um aumento no número de praticantes em seu estado natal.

Sabrina Mazzola – Foto: Micael Hocherman

“O pessoal precisa conhecer mais opções de provas e eventos que acontecem durante todo o ano, inclusive no inverno, quando nós aqui não temos travessias devido ao frio. Acredito que não ter objetivos, mesmo que lúdicos, de travessias em um período tão longo que vai de maio a setembro desestimule a manutenção dos treinos, desanime e tire muita gente das águas abertas”, finaliza Sabrina que acredita que a experiência oferecida pelo projeto vale muito mais do que qualquer medalha.

E é buscando atingir mais nadadores e colocá-los em contato direto com o meio ambiente que o projeto Viva a Aventura foi criado. O calendário de atividades tem início na Ilha Vitória no dia 14 de setembro. Em seguida o passeio será na Ilha dos Gatos no dia 12 de outubro e na sequência no Rio Guaratuba, em 14 de dezembro. Para o ano que vem será realizada mais uma Volta a Ilha de Alcatrazes. Para conhecer mais detalhes da ação e todos os embaixadores clique aqui e visite a página oficial.

Tags

Águas abertas Ilha Vitória natacao Ricardo Augusto Sabrina Mazzola Viva a Aventura

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas