Brasil pode ter time 100% masculino no Pan-Pacífico

Seleção brasileira, que será definida conforme tempos do ranking mundial de 2017, poderá ser exclusivamente masculina

21/04/2018 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Bruno Fratus - Foto: Satiro Sodré/SSPress

Bruno Fratus - Foto: Satiro Sodré/SSPress

Depois de muito tempo a seleção brasileira enviada para um grande torneio internacional pode ser inteiramente masculina. Ignorando as convocações das equipes para etapas da Copa do Mundo de piscina curta, a última vez que o selecionado nacional de piscina disputou uma competição apenas com homens foi no Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de Roma em 1994. Um time interinamente masculino poderá se repetir agora para o Pan-Pacífico dependendo de como serão as finais de hoje, último dia do Troféu Brasil.

Até o momento dos 12 atletas pré-classificados pelo ranking mundial do ano passado, apenas duas mulheres estão na lista. Curiosamente elas ocupam as últimas colocações e são as correm mais riscos de perderem lugar no time. Larissa Oliveira é a 11ª colocada da lista (24º tempo no ranking mundial nos 100m livre) e Daynara de Paula é a 12ª colocada (26º tempo do ranking mundial nos 100m borboleta).

A posição de Daynara é a que mais corre risco e quem deve tomar seu lugar na seleção é Bruno Fratus. Nas eliminatórias dos 50m livre ele nadou para 21s76 que corresponde a 12ª posição do ranking mundial de 2017. Fatalmente ele deverá ser mais veloz na final ou nadar próximo a marca, que consequentemente lhe garantirá vaga para defender seu título nos 50m livre no Pan-Pacífico em Tóquio.

Já a posição de Larissa também esta ameaçada. Entre os candidatos homens quem tem mais chance de ultrapassá-la é Miguel Valente. Para isso o fundista precisa fazer um tempo melhor que o 24º colocado do ranking mundial do ano passado, ou seja, precisa ser mai rápido do que os 15min03s66 do alemão Soeren Meissner.

Seu melhor tempo na distância é 15min06s13, mas vale lembrar que Miguel melhorou sua marca nos 800m livre na terça-feira quando nadou abaixo do antigo recorde sul-americano de Guilherme Costa e pode muito bem repetir a dose hoje. Outro detalhe é que ele terá um aliado nessa empreitada: o próprio Guilherme Costa. O forte ritmo do Cachorrão acabou o puxando quando ele fez essa marca de 15min06s13 no Open do ano passado e a história pode se repetir hoje. Já nos 50m livre masculino para superar Larissa os velocistas precisam nadar abaixo de 22s05.

Mas nem tudo está perdido para as mulheres. Nos 50m livre o tempo de corte é de 25s06 e nos 800m livre, Viviane Jungblut também tem condições de nadar para 8min33s03 já que esta balizada para 8min34s92. Lembrando que a fundista já está classificada na maratona aquática. Pelos resultados recentes os 200m peito, tanto masculino, quanto feminino, dificilmente terão algum(a) atleta conseguindo atingir as marcas necessárias. Teremos dia derradeiro e cheio de emoções para este incrível Troféu Brasil. A última etapa começa a partir das 18h e tem transmissão do SporTV.

Tags

Bruno Fratus CBDA Daynara de Paula Larissa Oliveira natacao natação feminina Troféu Brasil

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas