Caeleb Dressel e Sarah Sjöström são os melhores do Mundial

Nadadores somam mais pontos pelo sistema da FINA e vencem prêmio da entidade; China termina na frente no quadro de medalhas

29/07/2019 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Caeleb Dressel - Foto: Reprodução
Caeleb Dressel e Sarah Sjöström - Foto: Lee Jin-Man/AP Photo

Caeleb Dressel e Sarah Sjöström - Foto: Lee Jin-Man/AP Photo

Caeleb Dressel - Foto: Reprodução

Como acontece a cada fim de Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, a FINA anunciou os ganhadores do prêmio de melhores da competição. Nesta edição em Gwangju, o americano Caeleb Dressel e a sueca Sarah Sjöström ficaram com o prêmio de atletas mais eficientes segundo a Federação Internacional. O esquema de pontuação da FINA para a premiação contabiliza apenas resultados individuais. Curiosamente, a dupla também foi eleita a melhor do Mundial passado em Budapeste.

Dressel venceu as quatro provas individuais que nadou. Foi campeão com recorde de campeonato nos 50m borboleta (22s35) e nos 50m livre (21s04), bateu o recorde mundial na semifinal dos 100m borboleta (49s50) e apenas nos 100m livre (46s96) não bateu a marca de campeonato ficando a cinco centésimos do recorde de Cesar Cielo. O americano ainda ganhou outros dois ouros com os revezamentos 4x100m livre e 4x100m livre misto e mais duas pratas com o 4x100m medley e 4x100m medley misto. Terminou o Mundial como o maior medalhista em uma única edição totalizando oito pódios superando as performances de Michael Phelps em 2007 e 2011 e de Michael Klim em 1998 que na ocasião haviam ganhado sete medalhas.

Caeleb Dressel – Foto: Satiro Sodré

Já Sjöström conquistou cinco medalhas individuais na piscina do Centro Aquático de Nambu. Foi campeã nos 50m borboleta, vice nos 50m livre e 100m borboleta e ganhou ainda dois bronzes nos 100m e 200m livre. A sueca também integrou os revezamentos de seu país nas disputas do 4x100m livre e 4x100m medley que terminaram em sexto e sétimo lugar respectivamente.

Em números de medalha, porém, foi a americana Simone Manuel quem mais subiu ao pódio em Gwangju. A velocista deixou a Coreia do Sul com sete medalhas. Foram duas em provas individuais: os dois ouros nos 50m e 100m livre e mais cinco em revezamentos: ouro no 4x100m medley e 4x100m livre misto, prata no 4x100m e 4x200m livre e 4x100m medley misto. Com esses resultados, Manuel tornou-se a primeira mulher a conquistar sete medalhas em uma única edição do Mundial de Esportes Aquáticos.

Sarah Sjöström – Foto: Clive Rose

Ao todo foram batidos dez recordes mundiais, com destaque para a americana Regan Smith a única a superar duas marcas mundiais individuais na competição. Na semifinal dos 200m costas nadou a distância em 2min03s69. Já na abertura do revezamento 4x100m medley abriu os primeiros 100 metros de costas para 57s57, tornando a primeira mulher a nadar abaixo dos 58 segundos. As duas marcas também são novos recordes mundiais júnior.

No quadro geral de medalha somando todas as competições a China foi a campeã com 16 medalhas de ouro, 11 de prata e três de bronze, totalizando 30 pódios. No total quem mais foi ao pódio foram os atletas americanos com 36 medalhas: 15 de ouro, 11 de prata e dez de bronze. O Brasil terminou na nona colocação com duas medalhas de ouro, três de prata e duas de bronze.

Tags

Águas abertas Caeleb Dressel Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos Gwangju-2019 natacao Sarah Sjostrom

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas