Encerramento com chave de ouro em Gwangju

Disputa do revezamento 4x100m medley tem disputa insana entre os homens e novo recorde mundial na prova feminina

28/07/2019 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Duncan Scott - Foto: Getty Images
Revezamento 4x100m medley dos Estados Unidos - Foto: Getty Images

Revezamento 4x100m medley dos Estados Unidos - Foto: Getty Images

Duncan Scott - Foto: Getty Images

Nada melhor do que uma grande prova para fechar com chave de ouro um grande Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos. E foi isso que aconteceu em Gwangju neste último dia de disputas na piscina do Centro Universitário de Nambu. Os revezamentos 4x100m medley foram as melhores performances do dia. O masculino com emoção até a chegada e o feminino com uma superioridade absurda dos Estados Unidos.

Na prova masculina os Estados Unidos eram os favoritos, mas quem levou o ouro foi o Reino Unido. Na primeira parcial, no nado costas, foi o russo Evgeny Rylov quem abriu na frente. Os britânicos assumiram a liderança no peito graças ao parcial de 57s2 de Adam Peaty, mas os americanos assumiram a ponta com Caeleb Dressel que mais uma vez desequilibrou no borboleta (49s28 de parcial). Restava a Nathan Adrian manter a vantagem e dar mais um ouro aos americanos. Mas ele não esperava o parcial arrasador de Duncan Scott que com 46s14 atropelou o experiente nadador dos Estados Unidos e deu a vitoria aos britânicos: 3min28s10 e novo recorde europeu. Os americanos ficaram com a prata com 3min28s45 e a Rússia foi bronze com 3min28s81.

Revezamento 4x100m medley do Brasil – Foto: Satiro Sodré

O Brasil fez uma prova digna, nadando bem e finalizando em sexto lugar. O quarteto Guilherme Guido, João Gomes Júnior, Vinícius Lanza e Marcelo Chierighini (Breno Correia competiu as eliminatórias) nadou para 3min30s86, ficando a apenas 51 centésimos do quarto colocado Japão e 44 centésimos da Austrália que terminou em quinto lugar. Um revezamento já classificado para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 e com potencial para nadar mais rápido e quem sabe sonhar com o pódio.

Na prova feminina só deu Estados Unidos. A começar pela performance sensacional de Regan Smith. Grande revelação deste campeonato, a americana abriu o 4x100m medley do país com novo recorde mundial: 57s57. Um tempo incrível, abaixando a marca mundial em mais de 43 centésimos e tornando-se a primeira mulher da história a nadar os 100m costas abaixo dos 58 segundos. A vantagem de Smith deixou as americanas praticamente numa boa para vencer.

Revezamento 4x100m medley dos Estados Unidos – Foto: Antonio Bronic/Reuters

Com isso Lilly King (1min04s81), Kelsi Dhalia (56s16) e Simone Manuel (51s86) só precisaram manter a liderança para assegurar o ouro. Mas elas queriam mais do que isso e não economizaram nos parciais para totalizar 3min50s40 e novo recorde mundial, encerrando com chave de ouro. A prata foi para a Austrália após uma árdua batalha contra o Canadá pelo segundo lugar. As australianas marcaram 3min53s42 e as canadenses 3min53s58.

 

Zane Waddell – Foto: Ed Jones/AFP

Zebra africana

O dia começou com uma grande surpresa. Campeão dos 50m costas na Universíade de Nápoles Zane Waddell não estava tão contado assim. Porém, com uma ótima largada e constância ao longo de 50 metros, o sul-africano superou rivais mais vitoriosos e sagrou-se campeão mundial pela primeira vez na carreira com o tempo de 24s43. Ao seu ldo no pódio dois russos. Evgeny Rylov com a prata e Kliment Kolesnikov com o bronze com 24s49 e 24s51 respectivamente.

 

Pódio dos 50m peito – Foto: AFP Photo

Lilly King 2 x 1 Yulia Efimova

No duelo entre as arquirrivais, a americana deixa Gwangju com uma medalha de ouro a mais. King foi soberana ao longo de toda a prova e não teve problemas em vencer pela segunda vez no Mundial. Com 29s84 foi a única abaixo dos 30 segundos e conquistou o bicampeonato mundial na distância. Sua rival foi apenas a terceira colocada, com 30s15 e terminando Mundial com uma medalha de cada cor. Entre elas a jovem promessa Benedetta Pilato com 30s00. A italiana de apenas 14 anos que desponta como possível estrela para os próximos anos. No pódio teve até um beijo entre King e Efimova, uma rivalidade intensa, porém, cordial e com respeito entre as partes.

 

Florian Wellbrock celebra sua vitória – Foto: Reprodução

Campeão no mar e na piscina

Os 1500m livre foram eletrizantes do início ao fim. Com tanta gente boa na água um trio se desgarrou na metade da prova e protagonizou uma bela briga até os últimos 50 metros pela vitória. Melhor para Florian Wellbrock que conquistou sua medalha de ouro neste Mundial. O alemão, que já havia sido campeão nos 10 km nas águas abertas, atacou e cresceu no final, ultrapassando Gregorio Paltrinieri que liderou quase que toda a prova. Wellbrock finalizou com 14min36s54 contra 14min38s75 do italiano que ficou apenas com o bronze. Em segundo lugar o ucraniano Mykhailo Romanchuk com 14min37s63.

 

Simone Manuel – Foto: Becca Wyant

Vencendo na batida de mão

Simone Manuel é uma nadadora decisiva. A americana cresceu ao longo do campeonato e brilhou quando tinha que brilhar. Primeiro na sexta-feira nos 100m livre quando desbancou Sarah Sjöström e Cate Campbell. E hoje mais uma vez superando na chegada as duas adversárias e sagrando-se a campeã também dos 50m livre. Hoje ela venceu após uma chegada apertada, já que apenas dois centésimos separaram ela de Sjöström (24s05 contra 24s07). Campbell foi bronze com 24s11. Com esse resultado a americana terminou o Mundial com sete medalhas (duas individuais e cinco em revezamento).

 

Daiya Seto – Foto: Lee Jin-man

O cara do nado medley

Sem o americano Chase Kalisz que falhou nas eliminatórias, Daiya Seto teve a vida mais fácil na final dos 400m medley. O japonês liderou de ponta a ponta e soube administrar e conter sua vantagem ao longo de toda a prova. Seto conquistou seu segundo ouro em Gwangju com 4min08s95. No final o americano Jay Litherland ensaiou uma ataque, mas não deu tempo. O nadador terminou com a prata ao nadar para 4min09s22. O bronze terminou no peito Lewis Clareburt, no único pódio da Nova Zelândia neste Mundial, com 4min12s07.

 

Katinka Hosszu – Foto: Becca Wyant

Dama de Ferro conquista o ouro

Foi o campeonato mundial menos medalhado de Katinka Hosszu desde Xangai-2011 quando terminou zerada. A Dama de Ferro não conseguiu ter sucesso nos 200m costas, 200m livre e nos revezamentos terminando sua campanha em Gwangju com apenas duas medalhas de ouro nas provas de medley. Na final dos 400 metros hoje ela não teve problemas em garantir mais um pódio com o tempo de 4min30s39. Na disputa pela prata melhor para a chinesa Ye Shiwen que mostrou estar de volta a boa forma batendo no finalzinho a japonesa Yui Ohashi: 4min32s07 contra 4min32s33.

 

Confira todos os resultados dos oito dias de competições em Gwangju através do site da Omega Timing. Clique aqui para conferir.

Tags

Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos Gwangju-2019 natacao Regan Smith revezamento 4x100m medley

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas