A estratégia que consagrou Guillermo Bertola

Nadador argentino contou a SWIM CHANNEL como foi tática para triunfar na Travessia Santa Fé-Coronda

07/02/2018 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Guillermo Bertola - Foto: Fina/Reprodução
Guillermo Bertola - Foto: Fina/Reprodução

Guillermo Bertola - Foto: Fina/Reprodução

Guillermo Bertola - Foto: Fina/Reprodução

O último domingo foi um dia especial na vida do nadador argentino Guillermo Bertola. Após mais de 7 horas nadando o atleta venceu a tradicional Travessia Santa Fé-Coronda, uma das provas mais longas do mundo e que abriu a temporada 2018 do Ultramarathon Swim Series, o circuito internacional de ultramaratonas da Fina. Com 57 km a Travessia Santa Fé-Coronda é uma das mais desafiantes do planeta e considerada pelos argentinos um dos maiores patrimônios do esporte nacional.

Por isso, para um atleta local triunfar numa travessia dessas é algo extremamente especial. Em entrevista a SWIM CHANNEL, Bertola afirmou que não há sentimento que explique o que significa esta conquista. “Estou muito contente com esta vitória em uma prova para que nós argentinos tem um sabor especial, por ser em nosso país, por ter muita gente assistindo e por ser uma das mais longas e difíceis do mundo. É um sentimento único. Estou muito, muito feliz”, disse o nadador que tornou-se o nono argentino a vencer a prova.

Sobre a desgastante travessia, Bertola afirmou que o calor foi um fator desgastante, mas que tinha uma estratégia em conjunto com Cecilia Biagioli, que venceu no feminino e foi a segunda colocada no geral. “Eu e Cecilia tínhamos uma estratégia de prova. Deixei ela escapar com suas adversárias mais próximas por volta da uma hora e meia de prova e ficaria próximo a ela. Enquanto isso meus rivais apenas me marcavam e ninguém arriscava em sair atrás dela, pois os homens estavam mais preocupados em não se distanciar de mim. Essa estratégia foi vital para a reta final da travessia porque abrimos uma vantagem confortável”, conta Bertola que exaltou o talento de sua compatriota.

“Eles subestimaram a capacidade e consistência de Cecilia. Ela nadou forte o tempo todo e abriu tanta vantagem que no final eles não conseguiriam alcançá-la. Estive sempre próximo dela e no final decidi atacar para assumir a liderança e vencer a travessia. Mesmo o pelotão apertando o ritmo e se aproximando não conseguiram nos atacar por tínhamos uma vantagem grande. Foi ótimo também poder celebrar juntos essa importante conquista para nosso país”, disse o atleta de 28 anos que é o atual campeão mundial do circuito Ultramarathon Swim Series da Fina.

Além do Ultramarathon Swim Series, Bertola deverá nadar algumas etapas da Marathon Swim Series (novo nome da Copa do Mundo de 10 km). Em 2017, além do título do circuito mundial de ultramaratonas, Bertola nadou o Desafio Rei e Rainha do Mar no Rio de Janeiro.

Tags

Águas abertas Fina Guillermo Bertola natacao Travessia Santa Fé-Coronda UltraMarathon Swim Series

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas