Etiene e Marcelo: quando a medalha não é tudo

Etiene Medeiros e Marcelo Chierighini tiveram um dia marcante no Mundial de Gwangju. E mostraram que estão no caminho certo

25/07/2019 - Daniel Takata

Facebook Twitter
Etiene Medeiros - Foto:  Satiro Sodré
Marcelo Chierighini - Foto:  Satiro Sodré

Marcelo Chierighini - Foto: Satiro Sodré

Etiene Medeiros - Foto: Satiro Sodré

Pare e pense: o que têm em comum as provas nadadas por Etiene Medeiros e Marcelo Chierighini, hoje, no quarto dia das finais da natação do Mundial de Esportes Aquáticos, em Gwangju, na Coreia do Sul?

Aparentemente nada, pode-se pensar.

Etiene conquistou a medalha de prata nos 50m costas.

Etiene Medeiros – Foto: Satiro Sodré

Marcelo, por outro lado, não escondeu a frustração ao ficar fora do pódio dos 100m livre.

É a terceira medalha consecutiva de Etiene em sua prova.

Marcelo vem, desde 2013, chegando à final dos 100m livre e batendo na trave na briga por medalhas.

O resultado de Marcelo, no entanto, deixa uma boa perspectiva para a Olimpíada do ano que vem, em Tóquio.

A prova de Etiene, por sua vez, não consta no programa olímpico.

No entanto, os resultados guardam muitas semelhanças.

A começar que ambos chegam à final de suas especialidades desde o Mundial de 2013, em Barcelona.

Em Gwangju, foram os únicos a disputarem as finais de suas provas pela quarta vez consecutiva.

Essa longevidade na elite da natação mundial diz muita coisa.

Marcelo Chierighini – Foto: Satiro Sodré

Em um dia perfeito, Etiene hoje teria conquistado a medalha de ouro, e Marcelo, subido ao pódio.

Mas a medalha não é tudo.

Talvez o resultado pudesse, sim, ter sido melhor.

Etiene já nadou três vezes em sua vida mais rápido do que o tempo necessário para a medalha de ouro hoje.

Se Marcelo tivesse repetido sua marca da semifinal, teria conquistado a medalha de bronze.

Mas o que vale não são apenas os resultados, mas suas trajetórias.

Em geral, fazemos as coisas por recompensas. Muitas vezes, se as recompensas não vêm, ficamos decepcionados e perdemos interesse pelo trabalho.

Essa não é uma abordagem adequada.

Etiene e Marcelo sabem disso.

Claro, resultados aquém do esperado podem causar chateação.

Mas, em geral, há demora entre as ações e as recompensas.

As recompensas não acontecem de maneira determinística. Elas dependem de muitos parâmetros fora de nosso controle.

Etiene e Marcelo não podem controlar o que acontece com seus adversários.

Tivesse Olivia Smoliga feito uma ondulação a menos na saída, talvez Etiene estivesse agora com a medalha de ouro.

O mesmo se aplica aos rivais de Marcelo e uma eventual subida ao pódio.

Marcelo Chierighini – Foto: Satiro Sodré

Por isso, avaliar o resultado somente pela conquista ou não de uma medalha está longe de ser o ideal.

A linha que se encontra entre a satisfação e a frustração não deveria ser representada pelo desempenho de um rival que o separou de uma medalha.

O desafio é conseguir fazer o processo de tornar o esforço a fonte primária de felicidade e satisfação.

Ora, vejam:

Etiene Medeiros tem três medalhas em Mundiais de longa nos 50m costas, sendo uma de ouro, e um bicampeonato mundial em piscina curta.

Além disso é finalista olímpica e medalhista em Mundial de curta nos 50m livre, prova que ainda irá nadar nesse Mundial com boas perspectivas.

Marcelo Chierighini é um dos mais regulares nadadores do mundo nos 100m livre, com quatro finais em Mundiais e uma final olímpica.

Entre 2013 e 2018, ficou por pouco de chegar ao pódio das principais competições.

Tivesse ele interesse somente na recompensa, ou seja, na medalha, teria ele interesse e força para continuar trabalhando duro por tanto tempo?

Neste ano, subiu de nível, entrou no clube sub-48s, nadou quatro vezes na casa dos 47s e está tendo a melhor temporada da carreira.

A medalha não saiu por um detalhe.

Mas alguém duvida de que nadadores com tais trajetórias estejam de corpo e alma, no aqui e agora, o tempo inteiro, dia após dia?

Foi assim que Marcelo subiu um patamar em 2019. Foi assim que Etiene se tornou referência do esporte feminino.

E é com essa abordagem que devem continuar encarando o esporte e a vida.

Dessa maneira, chegarão credenciados como grandes nomes aos Jogos Olímpicos do ano que vem.

Até lá, é apreciar cada momento e seguir em frente, como sempre fizeram – e como deixou claro Etiene em sua irretocável entrevista para o SporTV após a prova.

E saber quais são as prioridades e a importância delas.

Etiene Medeiros – Foto: Satiro Sodré

Tags

Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos Etiene Medeiros Gwangju-2019 Marcelo Chierighini natacao

Daniel Takata

Redator da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas