Etiene Medeiros conquista a sexta medalha do Brasil

Nadadora é vice-campeã mundial nos 50m costas; na final dos 100m livre Chierighini chega próximo do bronze, mas termina em quinto

25/07/2019 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Etiene Medeiros - Foto:  Satiro Sodré
Etiene Medeiros - Foto:  Satiro Sodré

Etiene Medeiros - Foto: Satiro Sodré

Etiene Medeiros - Foto: Satiro Sodré

Saiu a quarta medalha do Brasil no Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos em Gwangju. E não foi o ouro esperado, mas uma prata com gosto de vitória para Etiene Medeiros. A brasileira, que optou por se dedicar neste Mundial as provas de 50 metros, tornou-se ainda a segunda maior medalhista do Brasil em Mundiais ao lado de Thiago Pereira, Bruno Fratus e Nicholas Santos com três pódios cada (leia mais tarde uma matéria especial sobre o tema).

Na final dos 50m costas Etiene largou bem e esteve sempre a frente das adversárias disputando braçada a braçada a medalha de ouro com Olivia Smoliga. Porém, na batida de mão, a americana levou a melhor: 27s33 contra 27s44 de Etiene, que cravou ainda sua segunda melhor marca nesta temporada 2019 atrás apenas de seu tempo no Troféu Brasil/Maria Lenk (27s36).

Após a final, em entrevista para o SporTV, ela afirmou estar muito feliz com mais uma medalha e disse ser muito importante para a natação brasileira conquistar medalhas e subir ao pódio, mesmo se a distância não for parte do programa olímpico. Esta ainda foi a nona medalha da brasileira somando Mundiais de longa e curta, que faz dela a nadadora brasileira mais vitoriosa da história.

 

Caeleb Dressel -Foto: Satiro Sodré

Recorde de Cielo quase cai

Apenas cinco centésimos separaram Caeleb Dressel do recorde mundial de Cesar Cielo. A marca de Cielo, que vai completar em breve dez anos, quase foi para o espaço. Dressel havia se poupado nas eliminatórias e semifinal, quando nadou em ambas para 47s35, concentrando tudo para esta final. A saída foi impecável como sempre e o americano conseguiu abrir frente, mas no fim da prova sentiu a pressão do campeão olímpico Kyle Chalmers que cresceu e com 47s08 ficou muito perto não só da casa dos 46 segundos, mas também de superar Dressel. Um duelo que promete muito para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Na outra disputa, pela medalha de bronze, Marcelo Chierighini esteve muito perto de levar o bronze. Porém, os últimos 15 metros foram sofridos para o velocista brasileiro que viu o russo Vladislav Grinev e o americano Blake Pieroni crescerem e o ultrapassarem na batida de mão. Pela terceira vez terminou os 100m livre na 5ª colocação, mas dessa vez com um tempo melhor: 47s93. Um desempenho que coloca o brasileiro como candidato real ao pódio olímpico ano que vem. Neste Mundial foram três vezes nadando na casa de 47 segundos e duas para 48 baixo na abertura do revezamento. Esteando em Mundiais, Breno Correia sentiu a metade final e terminou em oitavo lugar com 48s90.

 

Matthew Wilson – Foto: SIPA USA

Igualdade no topo dos 200m peito

Se Dressel ficou a apenas cinco centésimos do recorde mundial, Matthew Wilson não ficou a nenhum centésimo da marca mundial dos 200m peito. Depois das eliminatórias, quando passou com o melhor tempo, o australiano foi novamente brilhante na semifinal e igualou o recorde mundial de Ippei Watanabe: 2min06s67. Wilson se coloca como o grande rival do russo Anton Chupkov que passou com o segundo melhor tempo: 2min06s83. Um duelo que parece ser interessante, já que Wilson nada forte o tempo todo e Chupkov costuma atropelar os rivais nos últimos 50 metros com um fortíssimo fim de prova.

 

O revezamento australiano 4x200m livre – Foto: Reprodução

Australianas destronam americanas

Na final do revezamento 4x200m livre o esperado duelo entre Austrália e Estados Unidos se concretizou com uma grande vitória do time australiano com novo recorde mundial: 7min41s50. A equipe aussie começou na frente com Ariarne Titmus, porém, na segunda queda Katie Ledecky colocou as americanas na frente. Na terceira parcial Melaine Margalis e Brianna Throssel nadaram lado a lado com a americana entregando apenas 9 centésimos a frente. Mas na última parcial não deu pra ninguém e Emma McKeon ligou o turbo para vencer com nova marca mundial. A performance do time americano não foi ruim, afinal os 7min41s87 são o segundo melhor tempo da história e novo recorde das Américas. Destaque para o time canadense que com um ótimo 7min44s35 faturou a medalha de bronze.

 

Pódio dos 200m borboleta – Foto: Tamás Kovács/MTI

Húngara desbanca as americanas

Pela performance nas eliminatórias e semifinais, parecia que o ouro nos 200m borboleta ficaria os Estados Unidos. Porém, na final quem acabou roubando a cena foi a húngara Boglarka Kapas que com 2min06s78 bateu as adversárias e conquistou seu primeiro ouro em Mundiais. Destaque para o espetacular fim de prova de Kapas que arrasou nos últimos 50 metros. A seguir vieram as americanas Hali Flickinger e Kate Drabot com 2min06s95 e 2min07s04 respectivamente.

 

Sarah Sjöström – Foto: Clive Rose

Sueca na frente nos 100m livre

Em busca de seu primeiro ouro no Mundial, Sarah Sjöström não economizou energia na semifinal dos 100m livre e se classificou com o melhor tempo para a final: 52s71. A sueca, que foi destronada pela jovem canadense Margaret MacNeil nos 100m borboleta e passou mal após ganhar o bronze nos 200m livre, tenta amanhã enfim subir ao degrau mais alto do pódio. A concorrência será forte, principalmente da australiana Cate Campbell que esta voando neste Mundial e deve incomodar muito a sueca.

 

Daiya Seto – Foto: Mike Lewis

Primeiro ouro do Japão

Daiya Seto é hoje o grande herói da natação japonesa e principal esperança dos donos da casa da próxima Olimpíada. E foi ele o responsável pelo primeiro ouro da natação de seu país em Gwangju nos 200m medley. Com uma ótima parcial de costas, onde assumiu a liderança para não perder mais, Seto superou um empolgado Jeremy Desplanches e faturou mais um título mundial com 1min56s14. Foi seu primeiro título nesta distância. O suíço, melhor tempo da semifinal, terminou com a prata ao nadar para 1min56s56. Já o bronze foi para um discreto Chase Kalisz com 1min56s78.

 

Yulia Efimova – Foto: Mike Lewis

Efimova rumo ao ouro

Na final dos 200m peito apenas um nome desponta como grande favorita ao título mundial: Yulia Efimova. Sem Lilly King, que foi desclassificada nas eliminatórias após fazer a virada com apenas uma mão, a russa não tomou conhecimento das adversárias e com 2min21s20 lidera com folga as classificadas para a final. Com a ausência de King abrem-se mais duas vagas no pódio, A sul-africana Tatjana Schoenmaker, a canadense Sydney Pickrem e a britânica Molly Renshaw são as favoritas para medalhar.

 

Evgeny Rylov – Foto: Peter Sukenik

Duelo de campeões

Talvez uma das provas com menos surpresas neste Mundial. Afinal, todos os principais candidatos ao pódio estão na final. Com exceção do chinês Xu Jianyu que optou por não nadar a semifinal após ter passado pelas eliminatórias. O melhor tempo foi do russo campeão mundial Evgeny Rylov com 1min55s48 que amanhã deve duelar com o americano campeão olímpico Ryan Murphy que passou com a segunda melhor marca de 1min56s25. O japonês Ryosuke Irie, o americano Jacob Pebley e o polonês Radoslaw Kawecki são outros nomes de peso na prova.

 

Logo mais acontece o sexto dia de eliminatórias do Mundial com as provas de 100m borboleta masculino, 200 costas feminino, 50m livre masculino, 50m borboleta feminino, 4x200m livre masculino e 800m livre feminino. As provas tem início a partir das 22h com transmissão do Sportv. Os resultados deste quinto dia de finais já estão disponíveis no site da Omega Timing. Clique aqui para conferir.

Tags

Caeleb Dressel Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos Etiene Medeiros Gwangju-2019 Marcelo Chierighini Matthew Wilson natacao

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas