Gertrude Ederle: a pioneira do Canal da Mancha

11/08/2017

Facebook Twitter

A nadadora Gertrude Ederle – Foto: United States Library of Congress

No último domingo completou-se 91 anos de um grande feito da natação em águas abertas. As 21h30 do dia 6 de agosto de 1926 a americana Gertrude Ederle tocava o solo inglês na cidade de Kent e entrava para a história do esporte ao tornar-se a primeira mulher a completar a Travessia do Canal da Mancha, o mítico estreito de água que separa a França da Inglaterra e tem aproximadamente 34 km de distância.

Filha de descendentes alemães, Ederle nasceu na cidade de Nova York em 1906 e aprendeu a nadar aos nove anos de idade. Aos 15 já fazia parte da seleção americana e em 1923 bateu o recorde mundial nos 100m livre com o tempo de 1min12s8. No ano seguinte disputou pela primeira e única vez em sua vida os Jogos Olímpicos. Em Paris conquistou três medalhas, sendo um ouro com recorde mundial com o revezamento 4x100m livre e outros dois bronzes nos 100m e 400m livre.

Gertrude Ederle foi a primeira mulher a atravessar o Canal - Foto: Corbis

Gertrude Ederle foi a primeira mulher a atravessar o Canal – Foto: Corbis

Após a campanha olímpica, Ederle teve que tomar uma decisão. Continuar sua carreira amadora e podendo disputar outras Olimpíadas ou tornar-se nadadora profissional e ganhar prêmios pelas suas vitórias. Pensando no futuro e já realizada por ter sido campeã olímpica, ela optou pela profissionalização. Na época a realidade era diferente da dos dias de hoje, quando os atletas profissionais eram impedidos de disputar os Jogos Olímpicos. Como não havia muito espaço para atletas profissionais nas piscinas passou a se dedicar aos eventos em águas abertas.

Já em 1925 ela nadou uma prova partindo do Battery Park em Nova York até a Praia de Sandy Hook em Nova Jersey levando 7h11min para completar os 35 km. O resultado foi bastante expressivo e celebrado por Ederle que passou então a focar suas atenções a Travessia do Canal da Mancha. No ano seguinte ela passou a treinar com o experiente inglês Bill Burgess que havia completado a travessia em 1911. Ederle decidiu repetir a estratégia de Burgess e utilizou óculos de motociclista para nadar a travessia. A diferença é que ela utilizou parafina para deixá-los mais fixos ao rosto.

Ederle recebendo homenagens após voltar para Nova York - Foto: Getty Images

Ederle recebendo homenagens após voltar para Nova York – Foto: Getty Images

A americana deixou a costa francesa por volta das 7h da manhã e realizou uma prova com poucos sustos ou contratempos. Ela nadou o tempo todo de crawl, diferentemente de Burgess que na época optou pelo nado peito. Após 14h34min de prova a nadadora americana chegou a Praia de Kingsdown, em Kent sendo recepcionada por um oficial britânico que antes de a saudar pelo feito lhe pediu o passaporte. O tempo inclusive era também o recorde absoluto, pois antes dela seis homens já haviam cruzado o Canal em mais de 15 horas de nado. Ederle tornou-se a primeira mulher a concluir com sucesso a travessia do Canal da Mancha e ganhou um bom dinheiro com a conquista. Ao chegar em Nova York depois da epopeia ela desfilou em carro aberto pelas ruas de Nova York.

Após a travessia Ederle virou uma celebridade nos Estados Unidos, atuando de filmes, tendo músicas gravadas em sua homenagem e participando de campanhas publicitárias. Devido a uma infecção de sarampo que contraiu na infância ela acabou perdendo a audição na década de 1940 e durante muitos anos trabalhou como professora de natação para crianças com deficiência auditiva. Ederle faleceu em 2003, aos 98 anos em Nova Jersey.

Por Guilherme Freitas

Tags

Águas abertas Bill Burgess Canal da Mancha Gertrude Ederle história