Hélio de la Peña: humorista, escritor e sim…também nadador!

04/07/2017

Facebook Twitter

Hélio de la Peña em ação – Foto: Satiro Sodre/SSPress

O carioca Helio de la Peña é uma figura bastante conhecida da televisão e da comédia. Durante duas décadas ele integrou o grupo Casseta & Planeta que foi sucesso de audiência nas noites da TV Globo, além de participações em filmes, seriados e novelas. Um personagem bastante popular também nas redes sociais com mais de 2 milhões de seguidores no Twitter. Mas porque a SWIM CHANNEL, um veículo especializado em natação e águas abertas esta falando de um humorista da TV? Pelo simples fato dele também ser nadador, algo que muita gente não sabia.

Há quase oito anos Helio treina com a equipe dos Gladiadores, comandada por Luiz Lima no posto 6 da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. O humorista, que sempre faz piadas com seus colegas de braçadas, também costuma participar de eventos de águas abertas e já perdeu a conta de quantas braçadas já deu nas águas pelo Brasil. Mas não é só no humor e na natação que Hélio tem talento. Ele também é escritor e roteirista e no próximo sábado lança na Livraria da Vila, em São Paulo, seu mais movo trabalho em parceria com Daniel Takata, redator da SWIM CHANNEL: a biografia de Poliana Okimoto.

A SWIM CHANNEL conversou com Hélio de la Peña sobre como foi a experiência e desafio em contar a história da primeira mulher medalhista olímpica da natação brasileira, sua relação com a natação e se tem planos de realizar no futuro alguma prova mais exótica. Confira abaixo a entrevista com o Casseta!

Hélio de la Peña com Allan do Carmo - Foto: Arquivo pessoal

Hélio de la Peña com Allan do Carmo – Foto: Arquivo pessoal

SWIM CHANNEL: Conte um pouco mais sobre sua relação com a natação? Quando você aprendeu a nadar e como sua primeira experiência nas águas abertas?

HÉLIO DE LA PEÑA: Meu primeiro contato com a natação foi quando era criança. Meu pai me colocou na aula de natação, mas eu não gostava muito. Naquela época não tinha tanta tecnologia como hoje e as piscinas tinham muito cloro. E eu não gostava de passar muito tempo na piscina, ficar com os olhos ardendo por causa do cloro, além de não me ver como um atleta. A verdade é que eu aprendi a nadar mais para não morrer afogado do que para competir. Muito tempo depois coloquei meus filhos para aprender a nadar, ai assistindo as aulas deles na academia bateu aquela vontade de voltar a nadar e retornei aos poucos. Há dez anos eu me mudei para o Leblon e um tempo depois conheci a equipe e o projeto do Luiz Lima na Praia de Copacabana. Desde então venho treinando com eles e tenho adorado.

SC: Além de nadar frequentemente no mar você também já participou de vários eventos de águas abertas. Você procura nadar para curtir ou traça metas de melhorar a cada prova, buscar ser mais rápido?

Hélio: Eu procuro curtir e aproveitar o momento. Eu estou velinho (tem 58 anos) para pensar em competir ou disputar longas travessias (risos). Para mim a natação em águas abertas é algo muito mais lúdico do que algo competitivo. Eu já nadei alguns eventos como a Travessia dos Fortes, o Rei e Rainha do Mar e mais recentemente a Copa Brasil onde fiz uma prova de 5 km, a maior distância que já nadei em um evento oficial. Mas já realizei treinos longos com o pessoal dos Gladiadores. Certa vez nadamos 6,5 km da Urca até Copacabana. E por falar nisso, o pessoal dos Gladiadores tem hoje duas turmas: a dos que nadaram e a dos que não nadaram os 10 km. Estou com o pessoal que ainda não nadou. Estou devendo uma prova de 10 km a eles. Mas eu acho que não tô preparado psicologicamente para nadar esses 10 km…

Helio treina com os Gladiadores e disputa competições com a equipe - Foto: Arquivo pessoal

Helio treina com os Gladiadores e disputa competições com a equipe – Foto: Arquivo pessoal

SC: Existe alguma travessia famosa ou exótica que gostaria de nadar algum dia mesmo que seja por lazer? O Canal da Mancha talvez…

Hélio: Não, o Canal da Mancha não é pra mim não (risos). Mas uma das provas que pretendo um dia participar é a Travessia do Bósforo, na Turquia [o Bósforo é um estreito que liga o mar Negro ao mar de Mármara separando a Ásia da Europa]. Mesmo tendo uma distância considerável de 6,5 km a água é bem tranquila e nadamos a favor da correnteza. Seria uma prova que acredito que curtiria bastante.

SC: Agora falando sobre o livro da Poliana, como foi que surgiu a ideia de lançar a biografia dela? 

Hélio: Eu e o Daniel conversávamos bastante nos bastidores do SporTV durante a cobertura dos Jogos Olímpicos do Rio-2016 e como gostamos de natação vibramos bastante com essa medalha de Poliana. Ai fiquei pensando que era o máximo treinar no mesmo lugar onde o Brasil havia conquistado uma medalha histórica. O Daniel então pensou em fazer um livro contando a história dela e eu topei. Porém, nunca tido escrito uma biografia, apenas livros de ficção ou infantis. Decidimos então dividir os trabalhos com o Daniel levantando os dados, estatísticas e história e eu colocando um pouco mais da experiência pessoal deixando a leitura mais prazerosa para o leitor.

Poliana Okimoto e Helio de la Peña, após a prova olímpica (foto: arquivo pessoal de Helio de la Peña)

Poliana Okimoto e Helio de la Peña, após a prova olímpica – Foto: Arquivo Pessoal

SC: Você já escreveu outros livros antes [é autor dos livros “O Livro Do Papai“, “Vai na bola, Glanderson!” e “Meu Pequeno Botafoguense“], mas nenhum deles é uma biografia. Como foi a experiência de escrever sobre uma personagem importante para o esporte brasileiro como a Poliana? Encontrou alguma dificuldade em adaptar o estilo de escrita?

Hélio: Não tive muitas dificuldades em escrever um livro assim, afinal era sobre uma atleta que conheço há alguns anos e já sabia sobre sua carreira e principais conquistas. Inclusive, havia escrito alguns ensaios sobre ela no passado para alguns jornais e revistas. Procurei passar ao longo das páginas, um texto num tom mais divertido e bem humorado, buscando fazer com que o leitor se identifique com ela e sua trajetória, além de aproximar o público a natação.

SC: Como esta a expectativa para o lançamento do livro? Espera uma boa procura pelos exemplares?

Hélio: Temos uma expectativa muito boa em relação ao lançamento e ao livro. Nossa principal meta é buscar aproximar as pessoas da natação, do esporte em geral. Queremos ampliar o interesse do público pela modalidade através da leitura e acredito que muita gente, seja nadador ou não, vai comprar e ler o livro. Além disso, buscamos também estimular mais as pessoas a praticar a natação e nessas horas o livro pode ser uma ótima ferramenta.

Hélio carregou a tocha olímpica ano passado - Foto: Fernando Soutello/Rio-2016

Hélio carregou a tocha olímpica ano passado – Foto: Fernando Soutello/Rio-2016

O lançamento do livro Poliana Okimoto, da Editora Contexto, acontece no próximo sábado as 15h na Livraria da Vila, na Rua Fradique Coutinho, 915, na Vila Madalena, em São Paulo. Além de Hélio de la Peña e Daniel Takata, a biografada Poliana Okimoto estará presente a livraria autografando exemplares. As primeiras cem pessoas a comprarem o livro ganharão também um réplica da touca utilizada por Poliana na conquista da medalha de bronze olímpica. Anote ai na sua agenda e compareça!

Por Guilherme Freitas

Tags

Águas abertas biografia Daniel Takata Editora Contexto Helio de la Peña Poliana Okimoto