Mark Spitz fala sobre o COVID-19

"O coronavírus vai mudar a maneira como fazemos muitas coisas", disse a lenda das piscinas e embaixador do Laureus sobre a pandemia

18/05/2020 - Katarine Monteiro

Facebook Twitter
Mark Spitz - Foto: Reprodução
Mark Spitz - Foto: Reprodução/Laureus

Mark Spitz - Foto: Reprodução/Laureus

Mark Spitz - Foto: Reprodução

Um dos maiores nomes da história da natação, Mark Spitz deu uma entrevista para o site do Prêmio Laureus, considerado o Oscar do esporte, falando sobre as incertezas e medos que rodeiam o mundo devido a pandemia do COVID-19.

“O coronavírus nos impactou em todo o mundo e acho que estará aqui por muito mais tempo do que prevemos e acho que estamos fazendo um ótimo trabalho de adaptação a esse tipo de ambiente. Acho que o coronavírus vai mudar a maneira como fazemos muitas coisas, não apenas no esporte”, comentou.

Spitz concorda com a visão geral de que o Comitê Olímpico Internacional (COI) tomou a decisão correta ao adiar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio, apesar de ter sido uma decepção para atletas e fãs de esportes.

“Pelo menos afeta a maioria das pessoas da mesma maneira e afeta todos os tipos de esportes de maneira semelhante. No entanto, se você está no final de sua carreira atlética, devido à sua idade, se você ainda pode permanecer em forma e treinar por mais um ano, pode se tornar extremamente difícil emocionalmente”, afirma.

Mark Spitz – Foto: Reprodução/Laureus

“Será interessante assistir aos atletas que não tiveram a chance de participar dos Jogos este ano em 2021. Certamente no meu esporte, a natação, estaremos olhando nomes como Caeleb Dressel, Katie Ledecky e todos os outros atletas que atualmente são classificados no mundo”, completa.

Spitz fez história nos Jogos Olímpicos de Munique-1972 quando ganhou sete medalhas de ouro e estabeleceu sete recordes mundiais. Porém, a alegria de sua conquista foi instantaneamente ofuscada por um ataque do grupo terrorista palestino Setembro Negro a atletas israelenses que resultou na morte de 17 pessoas.

“Acho que eles fizeram um ótimo trabalho nos últimos 48 anos, sem nenhum tipo de incidente tão catastrófico quanto em 1972. Acho que o movimento olímpico fez um bom trabalho ao avançar nesse sentido”, acrescentou Spitz que atualmente esta em quarentena em sua casa em Los Angeles.

A lenda americana está até preocupada com o fato de ninguém ter certeza de qual será o estado do mundo em 2021 por causa da pandemia. Ele comentou: “Não acho que realmente tenhamos todas as respostas para esse coronavírus que está conosco agora, sobre como isso está acontecendo”.

Mark Spitz – Foto: Sport Illustrated

“Não há garantia de que vamos encontrar uma vacina para esse vírus. Você sabe que já faz quase 40 anos e eles ainda não têm uma vacina contra o HIV. Mas ainda estamos aqui. Então, espero, muito em breve, que todos voltemos ao normal, qualquer que seja o normal”, disse Spitz.

Membro da Academia Laureus, o ex-nadador apoia a entidade e o trabalho da fundação Laureus Sport for Good.  Nos últimos 20 anos, a instituição arrecadou mais de € 150 milhões para o setor de Esporte para o Desenvolvimento, alcançando e ajudando a mudar a vida de quase seis milhões de crianças e jovens. Atualmente, o Laureus apoia mais de 200 programas em mais de 40 países que usam o poder do esporte para transformar vidas.

“O Laureus acredita em unir pessoas e construir pontes entre comunidades e indivíduos. Hoje, há mais necessidade disso do que nunca. Que as nações do mundo estão cooperando para compartilhar um entendimento e um conhecimento para vencer essa terrível ameaça de um vírus. O Laureus continuará trabalhando com jovens pelo tempo que conseguirmos”, finalizou o campeão.

Tags

Academia Laureus COVID-19 Mark Spitz natacao Prêmio Laureus

Katarine Monteiro

Jornalista da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas