Nadar realmente faz você se sentir fome?

Após a prática da natação estudos científicos comprovaram que a ingestão de alimentos e o apetite do atleta foi maior

03/08/2020 - Katarine Monteiro

Facebook Twitter

O jornal inglês Independent divulgou na última semana uma pesquisa realizada por pesquisadores da saúde e atividade física sobre a relação da natação com o aumento do apetite. O grupo formado pelos pesquisadores e professores Alice Thackray, David Broom, David Stensel e James King decidiu comparar os efeitos da natação versus o ciclismo e o descanso e descobriram que o apetite e aumentou após a prática da natação tanto em homens, como em  mulheres.

Eles recrutaram 32 adultos saudáveis ​​com menos de 40 anos sendo 17 homens e 15 mulheres, que eram capazes de nadar e pedalar em nível amador. Entre os critérios para o estudos não havia nenhum obeso e no caso das mulheres, como o ciclo menstrual pode influenciar o apetite, os pesquisadores garantiram que todas as participantes deveriam se exercitar durante a mesma parte do ciclo todos os meses e não poderiam estar grávidas. Os voluntários concluíram todos os três testes de natação, ciclismo e descanso em uma ordem aleatória, separados por pelo menos quatro dias para que os efeitos do teste anterior não permanecessem mais no organismo deles.

Fome de atleta – Foto: Bruno Fratus/Instagram

Os participantes receberam um café da manhã (sanduíche de geleia de morango, croissant e suco de laranja) que comeram em casa entre as 8h45 e 9h. Quando chegaram ao laboratório foi medido o apetite de cada um usando uma balança várias vezes ao longo do dia. Os participantes descansaram ao longo dos três testes, exceto durante os 60 minutos de ciclismo ou natação. As sessões de exercícios começaram 90 minutos após o café da manhã.

As sessões de natação e ciclismo foram divididas em seis intervalos, cada um com duração de oito minutos com dois minutos de descanso entre os intervalos. Combinados o esforço de ambas as sessões de exercício usando uma classificação de escala de esforço, foi pedido a todos os participantes que se exercitassem em um nível forte, tanto para os testes de natação quanto de bicicleta.

Trinta minutos após o exercício – e no tempo equivalente no teste de repouso – os participantes puderam comer a quantidade de macarrão que quisessem até ficarem cheios e satisfeitos. Foi descoberto que os participantes comeram mais durante o teste de natação, uma média de 142 kcal a mais do que no teste de controle.

Fome de atleta – Foto: Katinka Hosszu/Instagram

Os participantes também sentiram mais fome após o teste de natação e que poderiam comer mais na próxima refeição. Quando contabilizada a energia usada durante a natação e o ciclismo, os participantes ainda estavam com déficit de energia em ambos os exercícios em comparação com o controle, mas o déficit foi maior após o ciclismo.

A razão para este efeito estimulante do apetite da natação não é compreendida. Um possível motivo está relacionado ao vínculo sugerido entre temperatura (especificamente perda de calor corporal) e ingestão de alimentos. Em temperaturas mais baixas, a ingestão de alimentos pode aumentar como um mecanismo para gerar calor corporal através da termogênese relacionada à dieta.

Termogênese é o processo do corpo de usar energia para produzir calor corporal. Apesar do fato de a natação ter gerado calor corporal durante o experimento, a imersão em água fria provavelmente levaria à perda geral de calor corporal. Porém, mais estudos são necessários para confirmar isso.

Fome de atleta – Foto: Michael Phelps/Instagram

Também é possível que alterações nos sinais cerebrais e neurotransmissores (substâncias químicas que transmitem mensagens entre as células nervosas) possam ser um fator no aumento do apetite. Isso é plausível porque existem regiões específicas do cérebro ligadas ao apetite e à recompensa, e fatores não homeostáticos (como comer por prazer ou a motivação para comer certos alimentos em detrimento de outros) também podem influenciar o apetite e o comportamento alimentar. Novamente, estudos detalhados de imagens cerebrais são necessários para concluir esses tipos de pesquisa.

A pesquisa foi válida para assegurar que a natação pode não ser tão eficaz quanto outros tipos de exercício para o controle de peso. As descobertas dão apoio preliminar devido ao aumento da fome e da ingestão de alimentos após a sessão de natação. Mas isso não quer dizer que as pessoas devam parar de nadar se estiverem tentando perder peso.

Os pesquisadores afirmam que a natação, como qualquer forma de atividade física, é absolutamente vital como parte de um estilo de vida saudável devido aos muitos benefícios à saúde associados. Isso inclui melhora da pressão arterial, controle de colesterol e glicose, os quais reduzem o risco de diabetes tipo 2 e doenças cardíacas. Mas para aqueles que querem usar a natação para perder peso, os pesquisadores lembram que é importante estar ciente de possíveis aumentos no apetite e na ingestão de alimentos.

Tags

curiosidade fome natacao nutrição pesquisa

Katarine Monteiro

Jornalista da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas