Poliaminoácidos na natação

Confira a importância desse suplemento na atividade física, especialmente nas atividades dentro d'água

27/03/2018 - Renê Leite

Facebook Twitter
Poliaminoácidos na natação - Foto: Reprodução

Poliaminoácidos na natação - Foto: Reprodução

Para prática de exercícios físicos ou de esportes, é primordial que se tenha energia suficiente para garantir melhor desempenho, retardando a fadiga e automaticamente garantindo também melhor recuperação para a sessão seguinte de trabalho. Assim, é de extrema importância que, no planejamento e organização de um programa de treinamento, além do repouso, uma alimentação adequada deva ser considerada.

As necessidades nutricionais diárias, não somente protéicas são dependentes de fatores como intensidade, frequência, duração e tipo das atividades/exercícios, bem como de composição corporal, idade, sexo e nível de treinamento dos indivíduos, o que acaba deixando o trabalho um pouco mais complexo.

Na nutrição, temos como principal objetivo transformar o alimento adequado em energia para o desempenho da atividade. Esses processos envolvem macro e micronutrientes que são utilizados com finalidade energética (carboidratos, lipídios e proteínas) para construção e reparo dos tecidos (proteínas, lipídios e minerais), para construção e manutenção do sistema esquelético (cálcio, fósforo e proteínas) e para regulação da fisiologia corpórea (vitaminas, minerais, lipídios e água); com isso, mostra-se que o alicerce do esporte está diretamente ligado à parte nutricional.

Os aminoácidos de cadeia ramificada – conhecidos como BCAA (Branched Chain Amino Acids) – compreendem três componentes essenciais: Valina, leucina e isoleucina. De todos os aminoácidos isolados consumidos, apenas os aminoácidos essenciais necessitam de suplementação. Isto acontece por não serem sintetizados no nosso organismo, devendo assim ser ingeridos por suplementos tanto na forma de cápsulas como na de líquido e tabletes. Nos alimentos, podem ser encontrados nas carnes e outros produtos de origem animal ricos em proteínas.

Pouco se sabe sobre as doses recomendadas, mas existem alguns estudos que identificam doses aproximadas dos três aminoácidos citados:

  • Leucina – 14 mg/kg peso
  • Isoleucina – 10mg/kg/peso
  • Valina – 10mg/kg/peso

Com base nisso, mostra-se mais uma vez a importância de um profissional da área para adequar as doses para cada indivíduo.

POSSÍVEIS EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO

Ação anabólica e anticatabólica

Alguns estudos realizados com a suplementação de BCAA sugerem que se utilize o suplemento antes e depois da atividade física com intenção de estimular a síntese protéica e diminuir os danos causados no tecido muscular. Isso aconteceria pelo fato do BCAA estimular a liberação de testosterona, hormônio do crescimento e insulina, facilitando a recuperação de glicogênio muscular (energia armazenada nos músculos=carboidratos).

Envolvimento na resposta imunológica

Durante exercícios de resistência, há diminuição dos níveis plasmáticos de glutamina, cuja função principal é servir de fonte de energia para importantes células do sistema imunológico. Já que os BCAA servem de substrato para a síntese de glutamina, a ministração após o exercício aumentaria as concentrações desta, diminuindo assim a incidência de infecções nos atletas. Os BCAA são também absolutamente essenciais na ação dos linfócitos a agressões e são necessários para apoiar outras funções de células do sistema imunológico. Pacientes pós-cirúrgicos ou com infecção foram submetidos a doses intravenosas de BCAA e mostraram melhora no sistema imunológico, com resultado melhorado frente aos processos infecciosos, mostrando mais uma vez sua eficiência em ação de estresse (treinamento).

Como vimos, o suplemento vem auxiliar a alimentação saudável e a correta programação de treinamento. Um ótimo exemplo no mercado é o tradicional Forten, que há décadas é indicado por nutricionistas. Quando se alcança certo equilíbrio entre nutrição, periodização de treinamento e suplementação nas doses, conseguimos a partir daí obter melhores resultados nos treinamentos, consequentemente aumentando as chances de melhores resultados também nas competições.

Renê Leite

Nutricionista especialista em Fisiologia e Biomecânica do Exercício.