O caminho para Tóquio-2020

Conheça aqui os índices "A" que serão utilizados pela CBDA para formação da seleção que nadará os Jogos Olímpicos

21/01/2020 - Guilherme Freitas

Facebook Twitter
Os anéis olímpicos - Foto: Getty Images
Troféu Brasil-Maria Lenk - Foto: Ricardo Sodré/SSPress/CBDA

Troféu Brasil-Maria Lenk - Foto: Ricardo Sodré/SSPress/CBDA

Os anéis olímpicos - Foto: Getty Images

Durante os dias 20 e 25 de abril a piscina do Parque Aquático Maria Lenk será palco de mais uma edição do Troféu Brasil/Troféu Maria Lenk. Porém, esta não será apenas mais uma edição do principal campeonato nacional de natação. Será a seletiva olímpica do país para os Jogos de Tóquio-2020. Um evento que promete ser de altíssimo nível, já que os atletas só terão esta oportunidade para tornarem-se olímpicos.

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) publicou no fim do ano passado um boletim oficial com os índices olímpicos para classificação. A entidade nacional seguirá os “índices A” estabelecidos pela Federação Internacional de Natação (FINA) para montar sua equipe olímpica. Pela primeira vez na história só irão valer como índice as marcas que os atletas fizerem na final da prova e não mais nas eliminatórias. É nadar certo na hora certo, sem margens para erro. Qualquer vacilo pode custar uma vaga em Tóquio.

A tendência é o Brasil conseguir levar atletas para todas as provas no masculino e em boa parte das provas femininas. Do lado masculino os brasileiros já nadaram abaixo do índice estabelecido em todas as provas. Já no feminino algumas marcas como dos 200m borboleta e 200m costas, por exemplo, são mais fortes que os atuais recordes sul-americanos o que dificulta mais as coisas para as nadadoras.

Vista do Parque Aquático Maria Lenk – Foto: Satiro Sodré/SSPress

Nos revezamentos o país já garantiu os três masculinos (4x100m e 4x200m livre e 4x100m medley) com as finais alcançadas no último Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos em Gwangju. Já os revezamentos femininos e o 4x100m medley misto farão “tomadas de tempo” ao longo do Troféu Brasil/Troféu Maris Lenk para tentar um lugar nos Jogos Olímpicos.

Caso um atleta consiga atingir um índice A em uma prova (por exemplo os 400m livre), mas não atingir na outra nde ele tentou (800m livre, por exemplo), ele poderá nadar essa segunda prova na Olimpíada mesmo sem o índice. Tudo isso por que ele já ter obtido o “índice A” na outra prova. Vale destacar ainda que para os revezamentos 4x100m e 4x200m livre do Brasil poderá ter um quinto atleta na condição de reserva, desde que o mesmo nade abaixo do índice da prova individual.

Confira abaixo a tabela de índices para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020:

Tabela de índices olímpicos para Tóquio-2020 – Foto: Reprodução/CBDA

 

Tags

CBDA índice olímpico Jogos Olímpicos natacao Tóquio-2020 Troféu Brasil

Guilherme Freitas

Jornalista sênior da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas