O desbravador do sul do Brasil

14/11/2016

Facebook Twitter

Nos últimos anos o Brasil ganhou muito destaque internacional em provas de águas abertas. Poliana Okimoto tornou-se medalhista olímpica no Rio-2016 e foi eleita a melhor do mundo em 2013, feito repetido por seus compatriotas Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo em 2014. Fora outras dezenas de conquistas internacionais pelos atletas de elite, também há o atrativo do território nacional com muitas provas ao longo do ano cada vez mais cheias de atletas. Outro feito de destaque vem sendo a participação de brasileiros em travessias consagradas ao redor do mundo.

Publicamos aqui recentemente em nosso site travessias de brasileiros ao redor do mundo. Desta vez falamos de um nadador que conseguiu concluir outras duas provas tradicionais. Trata-se do paranaense Alexandre Kirilos, de 48 anos, que ano passado concluiu a famosa Travessia do Canal da Mancha e em julho deste ano nadou a Travessia Capri-Napoli em prova de revezamento. Duas conquistas inéditas, já que o experiente atleta foi o primeiro atleta da região sul do Brasil a obter estes feitos.

 

O nadador ganhou um outdoor na Academia Gustavo Borges - Foto: Arquivo pessoal

O nadador ganhou um outdoor na Academia Gustavo Borges – Foto: Arquivo pessoal

 

“Apesar de serem duas travessias emblemáticas suas características são diferentes. No Canal da Mancha nadei com a água numa temperatura de 15°C, fui bastante atacado por águas vivas e peguei duas grandes correntezas que me fizeram nadar 50 km em 13h18min. Na Capri-Napoli, nadei ao lado de Carlos Lorga e fomos campeões na categoria duplas (título inédito para o Brasil) numa água que estava em torno de 23°C, num mar bem agitado onde nadamos 36 km em 10h”, conta o atleta que tornou-se o 24º brasileiro a conseguir cruzar o Canal da Mancha.

Para conseguir concluir estes desafios, Kirilos contou a SWIM CHANNEL que precisou fazer treinos longos e árduos que exigiram muita disciplina. “Para atravessar o Canal da Mancha minha preparação foi de um ano e meio. Nadava em torno de 60 km por semana e nos finais de semana treinava no mar e em represas. Outra tática foi ter tomado banhos frios no inverno aqui de Curitiba e fazer treinos noturnos na piscina e no mar para simular as condições climáticas do Canal. E tudo valeu a pena”, conta o nadador que teve o apoio nas duas provas de Igor de Souza, um dos maiores especialistas do mundo em grandes travessias.

 

Kirilos posando no barco durante a travessia do Canal da Mancha - Foto: Arquivo pessoal

Kirilos posando no barco durante a travessia do Canal da Mancha – Foto: Arquivo pessoal

 

Formado em Educação Física Kirilos elabora seus próprios treinos, que coloca em prática na piscina da Academia Gustavo Borges em Curitiba todas as manhãs. Ele também é figurinha carimbada nas principais provas no sul do país. “Tenho muito orgulho em ser um dos principais nomes da maratona aquática da nossa região e representar o sul do país, mais diretamente o Paraná e Santa Catarina, onde participo da grande maioria dos circuitos. A maratona aquática cresceu muito e é com grande alegria que hoje vejo circuitos espalhados por todo o país”, revela o nadador que destaca os circuitos Mercosul de Travessias, Travessias Bombinhas, FASC e Correr e Nadar.

Para os próximos anos Kirilos tem em mente voltar a realizar travessias conceituadas e já traçou alguns planos. “Em setembro do ano que vem voltarei para o Canal da Mancha capitaneando uma equipe de revezamento de seis nadadores. E em 2018 meu sonho é fazer a Travessia do Estreito de Gibraltar”, finaliza o atleta que há 11 anos disputa provas de águas abertas e é patrocinado pelo blog 40 Forever.

Por Guilherme Freitas

Tags

Águas abertas Alexandre Kirilos Travessia Capri-Napoli Travessia do Canal da Mancha