Arena Powerskin R-EVO

Conheça mais do traje Powerskin R-EVO que é utilizado por mais de 90% da elite da natação mundial

19/11/2019 - Patrick Winkler

Facebook Twitter
Nadadores com trajes REVO aguardando a largada - Foto: Reprodução
Ferry Weertman - Foto: Zsolt Szigetvary/MTI

Ferry Weertman - Foto: Zsolt Szigetvary/MTI

Nadadores com trajes REVO aguardando a largada - Foto: Reprodução

A introdução da natação em águas abertas nos Jogos Olímpicos possivelmente foi a decisão mais bem acertada do Comitê Olímpico Internacional (COI), nas últimas três décadas. A modalidade foi disputada pela primeira vez nos Jogos de Pequim em 2008 e desde então apresenta ininterrupto crescimento no cenário internacional.

Neste mesmo período a natação de piscina vivia uma situação de “céu & inferno” ao mesmo tempo. Os melhores nadadores do mundo, estabeleceram centenas de recordes mundiais. Você não leu errado, foram centenas de recordes mundiais entre 2008 e 2009. O estrondoso sucesso, acabou sendo direcionado aos famosos super trajes de natação com a “pele de tubarão”.

Os nadadores, não importa se eram de piscina ou de águas abertas, utilizam os mesmos trajes. Exatamente no dia 31 de dezembro de 2009 a FINA proibiu todos os trajes de natação e para o ano de 2010, todas as marcas esportivas tiveram que criar novos acessórios com diversas regras e com selo de aprovação da Federação Internacional.

Nadadoras com trajes R-EVO aguardando a largada – Foto: Satiro Sodré/SSPress

Assim, a natação de piscina e a natação de águas abertas tomaram rumos diferentes no quesito traje de competição. No auge dos super trajes eles continham a matéria prima poliuretano (PU), que auxilia na flutuação do atleta e acabou sendo 100% excluída.

Para a natação de piscina, os homens só poderiam utilizar o jammer (com aproximadamente 45 cm a 47 cm de medida lateral). Já as mulheres podiam usar o kneeskin (popularmente conhecido como macaquinho) e esta peça não poderia ter nenhum zíper. Nas águas abertas, os atletas poderiam utilizar a calça ou o bodyskin (popularmente conhecido como macacão).

As marcas esportivas realizaram grandes ações e ótimos produtos para os atletas de piscina, com destaque para Speedo, Arena, TYR, Finis e Jaked. Futuramente este grupo seria acrescentado por outras empresas como MP, Nike, Adidas, Mizuno, entre outras.

O campeão olímpico e mundial Ferry Weertman com o R-EVO – Foto: Reprodução

Nas águas abertas a Arena tomou a dianteira e “dominou” o mercado. Foi evoluindo de maneira rápida, dentro das regras da FINA e disponibilizando de maneira ágil a todos os pontos de distribuição no mundo. A versão Powerskin R-EVO é hoje o traje mais utilizado, vendido, vendido novamente (mercado de segunda mão) e consequentemente o produto que veste os melhores nadadores.

O bodyskin da Arena, nas principais competições internacionais, chega vestir mais de 90% de todos os atletas da competição. Algumas das marcas consagradas como Speedo e TYR entregam produtos somente para seus atletas patrocinados, os famosos trajes customizados. Quem vinha na vice-liderança era a marca esportiva Diana, que acabou sendo comprada pela Arena.

Saindo do cenário profissional e vindo para os festivais esportivos no Brasil, há uma enorme quantidade de eventos pelo país e em muitas provas a roupa de borracha nas águas abertas é liberada e outras muitas não há a liberação.

A campeã olímpica Sharon van Rouwendaal com o R-EVO – Foto: Reprodução

Como são os trajes competição para natação em águas abertas?

A coleção tem a calça e o macacão, ambos produzido em poliéster e poliamida. O traje de competição primeiramente tem um excelente coeficiente de atrito, possibilitando um arrasto melhor do que a pele do atleta raspada.

A FINA autorizou o uso do macacão por que em inúmeras provas de águas abertas, existe o contato com água-viva e o traje possibilidade uma mínimo de segurança para o nadador. A compressão do traje também retarda o acumulo de ácido lático nos músculos.

 

 

Qual a diferença entre a calça e o bodyskin?

Simplesmente o custo benefício. Os músculos inferiores são os mais fortes do corpo, portanto o retardo de acumulo de ácido lático continua eficaz. O que muda é o arrasto do traje, pois o atleta que está a nadar com peito nu, terá mais arrasto. A calça tem o valor de R$1.329,90 enquanto que o bodyskin custa R$2.299,90.

Analisando o mercado com cautela, inexplicavelmente existe uma “miopia” de atenção por parte da Speedo Internacional, TYR e AquaSphere em relação aos trajes de natação em águas abertas e acredito que num futuro próximo as coisas devem mudar.

Quando o diretor de prova proibir a utilização do neoprene e liberar apenas os trajes aprovados pela FINA, não tenha dúvida, nade de Arena Powerskin R-EVO. É a melhor opção. A linha pode ser encontrada no website oficial da marca o arenawaterinstinct.com.br/ e aqui mesmo na SWIM CHANNEL.

Clique aqui e veja todos os tamanhos e modelos disponíveis em nosso site!

Boa sorte e boa prova!

Patrick Winkler

Editor-chefe da SWIM CHANNEL.