Quando a natação ajuda a salvar vidas

29/12/2016

Facebook Twitter

Sarah esta atualmente atuando na costa grega – Foto: Achilleas Zavallis/UNHCR

Repetir que os Jogos Olímpicos do Rio-2016 entraram para a história é chover no molhado, mais do mesmo. Podemos aqui dizer que foi a primeira Olimpíada na América do Sul, a edição onde o Brasil ganhou mais medalhas em sua história, que viu pela última vez e coroou Michael Phelps e Usain Bolt como as maiores lendas de suas modalidades, e muito mais. Porém, existiu outro fato inesquecível foi no Rio-2016 que foi a primeira participação de uma delegação de atletas refugiados, que foram aplaudidos de pé pelo público no desfile da cerimônia de abertura no Maracanã. Do dez atletas da equipe haviam dois nadadores sírios: Rami Anis e Yusra Mardini, ambos sobreviventes da guerra civil que assola o país desde 2011.

A história de Yusra é incrível e publicamos mais detalhes aqui. Ela e sua irmã Sarah tiveram que nadar por horas empurrando a embarcação onde estavam até a costa de Lesbos, na Grécia. O motivo era diminuir o peso do barco e chegar em segurança a terra firme. Ambas então foram acolhidas na Alemanha e passaram a treinar no país. Yusra já havia nadado um Campeonato Mundial de piscina curta pela seleção síria e foi convidada para nadar no Rio-2016, onde terminou em 41º lugar nos 100m borboleta. Já Sarah arrumou um novo trabalho onde estará em contato com a água: salva-vidas voluntária do Acnur, a agência das Nações Unidas para refugiados.

As irmãs Sarah e Ysra Mardini - Foto: Gordon Welters/UNHCR

As irmãs Sarah e Ysra Mardini – Foto: Gordon Welters/UNHCR

Sarah tem 21 anos de idade e por muito tempo foi atleta de elite na Síria, representando a seleção do país junto com a irmã e Rami. Logo quando chegou a Alemanha ela manteve o treinamento, mas optou por deixar a natação competitiva por desenvolver um problema no ombro. Agora Sarah optou por retornar a costa grega buscando ajudar novos refugiados que fogem da guerra e não param de chegar. “Procuro sempre falar com eles e dizer que sei o que estão passando porque eu passei por isso também“, disse a nadadora que nesta função tem a missão de resgatá-los da água e acalmá-los.

Depois de toda esta longa jornada, as irmãs Mardini conseguiram levar seus pais para Berlim, onde todos vivem atualmente. Sarah espera que sua história ajude a mudar a visão global sobre os refugiados e planeja viver normalmente. “Mesmo agora, quando digo minha história, não acredito. Mas sou apenas uma pessoa normal que tenta ajudar outras pessoas”, resume Sarah que pretende cursar uma faculdade em Direitos Humanos na Alemanha, montar uma ONG de apoio aos refugiados e continuar ajudando as Nações Unidas.

Por Guilherme Freitas

Tags

natacao Rami Anis refugiados Sarah Mardini Síria Yusra Mardini