Natação vs corrida

Qual das atividades apresenta maior gasto calórico? Veja aqui um comparativo sobre duas das atividades físicas mais praticadas

07/03/2018 - William Urizzi de Lima

Facebook Twitter
Bruno Fratus - Foto: Satiro Sodre/SSPress

Bruno Fratus - Foto: Satiro Sodre/SSPress

Controlar o peso não é tarefa nada fácil. Balancear a alimentação, diminuir o stress, aumentar a prática da atividade física são as medidas mais eficazes para controle do peso. Não é novidade que a corrida é a modalidade esportiva mais popular do mundo e também a que gera grande gasto de energia. Entretanto, existe sempre a comparação entre a corrida e a natação em relação ao gasto energético, surgindo a pergunta: qual das atividades – correr ou nadar – apresenta maior gasto calórico?

Para analisarmos o assunto, há necessidade de realizar estudo mais profundo envolvendo comparações fisiológicas e adaptando-as às realidades do meio aquático e terrestre. Envolve-se também a relação entre as intensidades da corrida e da natação.

No século passado, precisamente nos anos 1950, o atletismo melhorou muito com a implantação do treinamento intervalado, aumentando a intensidade dos estímulos. Até então, a ideia era a de exercícios contínuos sem utilização de intervalos. Os intervalos deram oportunidade aos praticantes de aumentar a intensidade do exercício. A natação, atividade semelhante ao atletismo no aspecto cardiorrespiratório e diferente nos movimentos musculares, adaptou o treinamento intervalado do atletismo, resultando na melhora significativa de recordes.

Cesar Cielo, recordista mundial dos 100m livre – Foto: Satiro Sodre/SSPress

A tabela 1 (veja abaixo) demonstra comparação simples entre atividades do correr e do nadar tomando como base a distância dos 100m rasos e a dos 100m nado livre, no qual o nado utilizado foi o crawl. Torna-se importante compararmos as variáveis entre o ato de nadar e o de correr.


Sobre o batimento cardíaco: Numa comparação de treinamento entre natação e corrida, devido a primeira exigir batimento cardíaco menor, também requer menos tempo de recuperação entres as séries de treinamentos.
Tabela 1 – Lima, William

Exemplo de treinamentos similares entre as duas modalidades:

– Treinamento fraco/moderado na natação

– 10×100 A1, o intervalo entre os tiros é trabalhado na casa dos 20 segundos

– Treinamento fraco/moderado na corrida

– 10×500 A1, o intervalo entre os tiros é trabalhado na casa dos 60 segundos

Usain Bolt, recordista mundial dos 100m rasos – Foto: Alexander Zemlianichenko/AP Photo

 

Diferença entre as modalidades

A diferença significativa é quanto à velocidade do deslocamento. A corrida chega a ser cinco vezes mais rápida do que a natação em relação à distância/velocidade – 4,89 vezes para sermos mais precisos -, explicada pela resistência da água maior que a do ar.

Na corrida, a atuação dos músculos dos membros inferiores é superior à dos membros superiores, o que na natação ocorre de forma contrária. À exceção do nado peito, os outros três estilos da natação (borboleta, costas e crawl) utilizam 70% dos membros superiores e 30% dos membros inferiores.

Outro fator importante refere-se ao batimento cardíaco. Na água, a frequência cardíaca tende a ser 10% mais lenta que no ambiente terrestre. Tal fato acontece devido o empuxo, força aplicada de baixo para cima (Principio de Arquimedes) e também as forças atuando em todas as direções, auxiliando o retorno venoso (Lei de Pascal).

À exceção do peito, os outros três estilos  utilizam 70% dos membros superiores e 30% dos inferiores – Foto: Satiro Sodré/ SSPress

 

Comparações de gastos calóricos e energéticos

A tabela 2 (veja abaixo) demonstra estudos realizados por McArdle e Katch sobre as atividades do nadar e do correr que relaciona duração, volume e intensidade do estímulo. Isto nos leva a concluir que a comparação entre o gasto calórico do nadar ou do correr dependerá basicamente desses aspectos, principalmente da intensidade do esforço. Tanto na natação como na corrida, a estratégia utilizada durante o esforço é de suma importância. Por exemplo, nadando-se 1000m contínuos, a intensidade é menor que ao se nadar a mesma distância fracionada numa série – 10×100 nadando com 30 segundos de intervalo. O mesmo ocorre na corrida.


Obs.:
Aeróbico é o exercício que se refere ao uso de oxigênio no processo de geração de energia dos músculos. Esse tipo de exercício trabalha grande quantidade de grupos musculares de forma rítmica. Correr, nadar e pedalar são alguns dos principais exemplos de exercícios aeróbicos. Podem ser divididos em A1, A2 ou A3 de acordo com a intensidade progressiva.Tabela 2 – McArdle e Katch

Na corrida trabalha-se demais os músculos dos membros inferiores – Foto: Daniel Zappe

 

Já a tabela 3 (confira logo abaixo) auxilia a explicar o gasto energético da natação apresentando variáveis nos diferentes nados. Importante é a determinação do peso do indivíduo, componente primordial na mensuração do gasto energético. O nado borboleta, como não deveria deixar de ser, é que demanda gasto maior de K/cal por minuto.

A partir dos estudos do McArdle e Katch, podemos determinar outros pesos/gastos usando a equação abaixo:

 

Intensidade

Explicando a comparação de maneira ampla, qualquer um consegue identificar quando uma pessoa está correndo ou está caminhando. Ou seja, fica perfeitamente claro que a pessoa que está correndo gasta mais energia do que a que está caminhando.

Na natação, devemos entender que a intensidade conta no gasto calórico. Se uma pessoa apenas “soltar” na piscina e não aplicar intensidade, com certeza não haverá grande gasto calórico. Não importa o nível do atleta ou a distância que percorra, o importante é ter variações de ritmo e intensidade. Assim, tanto a natação quanto a corrida proporcionam gasto calórico semelhantes, desde que a duração, o volume e a intensidade do estímulo sejam similares.

Na água, a frequência cardíaca tende a ser 10% mais lenta que no ambiente terrestre – Foto: Satiro Sodré/SSPress

 

Dicas importantes

  • Quanto melhor a técnica, maior será a velocidade do deslocamento. Sempre;
  • Caso o atleta seja iniciante e ainda não tenha boa técnica, o ideal é realizar alguns estímulos de corridas na piscina, mantendo contato com os pés no fundo – as corridas da hidroginástica;
  • Programas alternando práticas de natação num dia e corridas no outro são interessantes. Ou tente alternar programas de natação e hidroginástica.

William Urizzi de Lima

Professor da Faculdade de Educação Física da FMU e da Universidade Gama Filho e supervisor pedagógico da Metodologia Gustavo Borges da Natação Formativa.