Sul-Americano-2016: oportunidades para caras novas

28/10/2015

Facebook Twitter

O Campeonato Brasileiro de Águas Abertas-2015 chega ao fim na próxima semana com a disputa das duas últimas provas, de 5 km e 10 km, em Salvador, na praia de Inema, nos dias 5 e 7 de novembro. Além da acirrada disputa pelo título da temporada no feminino e no masculino estará em jogo também vagas para a seleção brasileira que vai ao Campeonato Sul-Americano do Paraguai que acontece ano que vem. E com elas oportunidades para atletas coadjuvantes e outras novidades na equipe nacional.

Novos nomes porque Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo já comunicaram que não disputarão a competição continental ano que vem. Ana Marcela nadará em Inema como parte de sua preparação para os Jogos Olímpicos. Allan tirou algumas semanas de férias e só retorna aos treinos em meados de novembro. Poliana Okimoto é a outra atleta das águas abertas classificada para o Rio-2016 e vai disputar a prova dos 10 km no Paraguai como treino para a Olimpíada. Desse modo, teremos sete vagas restantes para completar o time que irá ao Sul-Americano.

Em Inema estarão em jogo sete vagas: quatro para as provas de 5 km (duas no feminino e duas no masculino) e três para as provas de 10 km (uma no feminino e duas no masculino). Será uma seletiva única e com os desfalques de Ana Marcela e Allan, abrem-se oportunidades para atletas com experiência na seleção poderem ter chance de serem protagonistas e também para caras novas, que daria uma renovação na seleção brasileira.

 

O nadador Victor Colonese - Foto: Satiro Sodré/SSPress

O nadador Victor Colonese – Foto: Satiro Sodré/SSPress

 

No feminino Betina Lorscheitter, que disputou o Campeonato Mundial de Kazan este ano, Gabriela Ferreira e Catarina Ganzeli são nomes cotados para fazerem parte da seleção brasileira do ano que vem no Sul-Americano, além de estarem motivadas por lutarem pelo título do circuito nacional. No masculino Samuel de Bona e Victor Colonese, com bastante experiência na seleção, assim como Luiz Gustavo Barros e Fernando Ponte também despontam como potenciais candidatos a vaga na seleção. Sem falar em Diogo Villarinho, medalhista em Kazan e que buscará uma vaga olímpica nos 1500m livre.

O Brasil tem três dos melhores atletas do mundo na modalidade: Ana Marcela Cunha, Poliana Okimoto e Allan do Carmo, mas as águas abertas do país não se resumem apenas ao trio. Como podemos ver há novos candidatos para representarem a seleção e que continuar carregando por muito tempo a boa fase do Brasil nas águas abertas.

Por Guilherme Freitas

Tags

Águas abertas Campeonato Brasileiro Campeonato Sul-Americano seleção brasileira