Tecnologia Myrtha Pool no Rio-2016

16/08/2016

Facebook Twitter

Vista do Olympic Aquatic Stadium (OAS) – Foto: Satiro Sodré/SSPress

 

Nos últimos dias a cor da água das duas piscinas do Parque Aquático Maria Lenk, a olímpica e o tanque de saltos ornamentais, foi o assunto do momento. Um erro no uso dos produtos que fazem a limpeza das instalações deixou a água bastante esverdeada, prejudicando o andamento da competição e sendo motivo de crítica de vários atletas. Após detectar o motivo da mudança de cor a organização dos Jogos resolveu esvaziar a piscina e trocar a água. Um erro que prejudicou muito a exibição dos saltos ornamentais, causando inclusive a indignação dos atletas presentes e comissão técnica.

Os Jogos Olímpicos do Rio-2016, teve duas arenas sedes para os esportes aquáticos: o parque aquático Maria Lenk para os saltos ornamentais, nado sincronizado e a primeira fase dos jogos de polo aquático e o Olympic Aquatic Stadium (OAS) para a natação e os jogos de polo aquático da segunda fase.

Diferentemente do Maria Lenk, a natação no OAS foi um show em todos os sentidos e a piscina, contribuiu como histórico cenário. A piscina foi construída pela Myrtha Pools, a gigante do mercado, que também é parceira oficial da Federação Internacional de Natação (Fina).

Fundada em 1961, na cidade de Castiglione delle Stiviere, a Myrtha tornou-se nos últimos anos a principal referência na construções e montagens de piscinas de competição e  também foi a responsável pela montagem das piscinas das últimas três edições olímpicas (Pequim-2008, Londres-2012 e Rio-2016), dos recentes Campeonatos Mundiais e da piscina dos Jogos Pan-Americanos de Toronto no ano passado.

 

Piscina Myrtha do Flamengo inaugurada este ano - Foto: Divulgação/CR Flamengo

Piscina Myrtha do Flamengo inaugurada este ano – Foto: Divulgação/CR Flamengo

 

A piscina do OAS tem as medidas de 50m por 25m com 3m de profundidade, A estrutura desta piscina é construída com painéis de aço inoxidável, com camadas de PVC rígido, laminadas em alta temperatura e com acabamentos refinados, de cerâmica resistentes a água.

Uma de suas principais características é o sistema turnover de troca de água. A cada quatro horas a água da piscina passa por um processo chamado recirculação, onde a água é filtrada para ser desinfetada e voltar novamente a piscina sem oferecer risco aos atletas.  Qual nadador nunca engoliu água? Esse mesmo sistema de turnover, conta com tratamento de água antibacteriana, proporcionado o ambiente mais limpo possível para os nadadores. Outro destaque da Myrtha Pools, são as bordas infinitas (também conhecida como bordas de desaparecimento) que tem acabamento em cerâmica, possibilitando hidrodinâmica idêntica entre as oitos raias da piscina para os nadadores (não existe melhor raia).

A Myrtha, sendo campanha de marketing ou não, é tida pela grande maioria dos nadadores como “a mais rápida do mundo”, auxiliando na quebra de diversos recordes.

Por Guilherme Freitas

A equipe Swim Channel na cobertura dos Jogos Rio 2016 é patrocinada pela Mormaii, a maior marca de esportes aquáticos do Brasil

Tags

Jogos Olímpicos Myrtha Pools piscina Rio-2016 tecnologia