Uma nova oportunidade através da natação

13/06/2016

Facebook Twitter

Em fevereiro contamos aqui no Blog SWIM CHANNEL a história das irmãs sírias Yusra e Sarah Mardini, nadadoras e que deixaram sua terra natal fugindo da guerra civil que assola o país desde 2011. Após uma épica jornada, onde elas tiveram que nadar no mar gelado durante horas para diminuir o peso do barco e ajudar outros refugiados, chegaram a Alemanha onde vivem como refugiados. Hoje Yusra treina em Berlim e disputará os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Ela fará parte do Time Olímpico dos Refugiados, que terá outro nadador como representante: Rami Anis.

Nascido em Aleppo, Anis também foi forçado a deixar a Síria para sobreviver ao conflito e buscar uma nova vida. Sua trajetória foi menos árdua do que a das irmãs Mardini, porém, não menos traumática, afinal deixar tudo para traz a contragosto é algo extremamente difícil. Para chegar até a Bélgica, local onde treina, ele teve que passar por outros sete países viajando de barco, trem e ônibus e se alimentando de forma precária.

O nadador sírio Rami Anis - Foto: Gordon Welters/UNHCR

O nadador sírio Rami Anis – Foto: Gordon Welters/UNHCR

Hoje ele vive como refugiado na cidade belga de Gent e treina com a equipe do Mega Swim Team onde faz sua preparação olímpica. Especialista no nado borboleta, o nadador já teve experiência em grandes eventos internacionais representando a Síria. Esteve nos Campeonatos Mundiais de Roma-2009 e Xangai-2011 e no Rio de Janeiro deverá nadar os 100m borboleta.

Ao site do Acnur, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Anis afirmou que “a natação é sua vida e que hoje a piscina é a sua nova casa”. A antiga casa que ele perdeu para a guerra, mas pretende retornar a ela no futuro. Enquanto isso através do esporte pretende desfrutar do sonho olímpico e inspirar outras milhões de pessoas que passam pela mesma situação.

Assista abaixo um vídeo do Acnur sobre a trajetória e objetivos de Rami Anis.

Por Guilherme Freitas

Tags

Jogos Olímpicos natacao Rami Anis refugiados Rio-2016