Viajando para não ficar parado

07/03/2017

Facebook Twitter

A natação brasileira passa por um momento turbulento atualmente com indefinição política da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos e menos dinheiro disponível em caixa para realização de campeonatos. Enquanto a CBDA não divulga seu calendário oficial de competições para a temporada 2017, os atletas de elite precisam se virar para competir e manter-se em atividade visando a temporada que terá um Campeonato Mundial pelo caminho em agosto.

O grupo de nadadores que vive e treina nos Estados Unidos já caiu na água para disputar medalhas este ano. Bruno Fratus, Marcelo Chierighini, Matheus Santana, João de Lucca e Felipe Lima estiveram em ação no Arena Pro Swim Series de Indianápolis no último fim de semana contra medalhistas olímpicos no Rio-2016 como Adam Peaty e Nathan Adrian. Em janeiro, Matheus já havia ido a Suíça nadar uma competição com a equipe do SwimMAC.

Joanna Maranhão nada em Madri nesta semana - Foto: Satiro Sodré/SSPress

Joanna Maranhão nada em Madri nesta semana – Foto: Satiro Sodré/SSPress

No próximo fim de semana Joanna Maranhão disputará sua primeira competição em 2017. Estreando pela Unisanta, a nadadora participará do Open Absoluto de Madri onde nadará cinco provas. No final de março os brasileiros vão invadir o Paraguai para disputar o Campeonato nacional em Assunção. A equipe do Pinheiros já confirmou que levará alguns atletas, mas ainda não definiu um número exato.

Os nadadores de águas abertas também estão cruzando o mundo para competir. Cincos atletas da seleção viajaram para Abu Dhabi para nadar a segunda etapa da Copa do Mundo da Fina de 10 km: Poliana Okimoto, Ana Marcela Cunha, Allan do Carmo, Betina Lorscheitter e Diogo Villarinho. Enquanto o futuro da natação brasileira segue indefinido os nadadores sabem que não podem ficar parados e precisam competir. Nem que para isso tenham que sair do país.

Por Guilherme Freitas

Tags

Águas abertas CBDA competições internacionais natacao seleção brasileira