What Would Ryan Lochte Do?

Mesmo com a suspensão de 14 meses,o atleta ainda pode fazer muito pela natação internacional

27/07/2018 - Patrick Winkler

Facebook Twitter
Ryan Lochte - Foto: TYR/Reprodução
Ryan Lochte - Foto: Mike Lewis

Ryan Lochte - Foto: Mike Lewis

Ryan Lochte - Foto: TYR/Reprodução

O título acima é o nome de uma série de entretenimento para a TV, estrelada por Ryan Lochte no ano de 2016. Tal título se refere ao quão imprevisível e ao mesmo tempo o quão descontraído é o nadador Ryan Lochte.

Nesta semana vimos a péssima notícia sobre a suspensão do nadador, por uma foto postada no Instagram. Na foto consta uma imagem dele recebendo uma injeção intravenosa, o que é proibido pela WADA (Agência Internacional de Antidopagem). A imagem dele está bastante “arranhada”, pois além desta suspensão ele foi alvo de um escândalo internacional durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro após alegar ter sofrido um falso assalto.

Infelizmente, perante ao “universo fora da natação”, Lochte é relacionado a estes dois péssimos acontecimentos. Mas ao 34 anos de idade o que o atleta ainda pode fazer na natação? Não seria melhor se aposentar?

Na verdade, o atleta já fez muito pela natação internacional e ainda pode fazer mais. Lochte, é o segundo nadador que tem mais medalhas olímpicas na história da natação (ao todo soma 12 medalhas). Falando em Campeonato Mundiais da FINA é o nadador que mais conquistou medalhas, à frente de seu compatriota Michael Phelps.

Ryan Lochte – Foto: Mike Lewis/Ola Vista Photography

Sobre seu recorde mundial nos 200 m medley

No ano de 2008 e 2009 chegamos a presenciar a quebra de mais de 100 recordes mundiais na natação. No ano de 2010 vieram as novas regras de traje da FINA e não houve nenhum recorde mundial neste ano. No Mundial de 2011 em Xangai, após um jejum de mais de 18 meses, o primeiro recorde mundial nas piscinas vieram através de Ryan Lochte nos 200 medley com 1min54s00 juntamente em cima do recorde que pertencia a Michael Phelps.

Mas a história pode continuar. Michael Phelps, sem a menor sombra de dúvida é o melhor nadador da história. Ele é o detentor do maior número de medalhas olímpicos (28), sendo que conquistou oito de ouro somente em uma edição de Jogos Olímpicos em Pequim-2008 e se tornou o primeiro tetracampeão olímpico nas provas de 200m medley e com o revezamento 4x200m livre.

Justamente no revezamento 4x200m livre nas últimas quatro edições de Jogos Olímpicos, Ryan Lochte também foi integrante da equipe norte americana. Confira:

 

Equipe americana campeã em 2004 – Foto: Reprodução

Jogos Olímpicos de Atenas-2004

Ouro: EUA / Prata: Austrália / Bronze: Itália

Time americano: Michael Phelps, Ryan Lochte, Peter Vanderkay e Klete Keller

 

Equipe americana campeã em 2008 – Foto: Paul Gilham/Getty Images

Jogos Olímpicos de Pequim-2008

Ouro: EUA / Prata: Rússia / Bronze: Austrália

Time americano: Michael Phelps, Ryan Lochte, Peter Vanderkay e Rick Berens

 

Equipe americana campeã em 2012 – Foto: Jorge Silva/Reuters

Jogos Olímpicos de Londres-2012

Ouro: EUA / Prata: França / Bronze: China

Time americano: Michael Phelps, Ryan Lochte, Rick Berens e Connor Dwyer

 

Equipe americana campeã em 2016 – Foto: Reprodução

Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro  2016

Ouro: EUA / Prata: Grã-Bretanha / Bronze: Japão

Time americano: Michael Phelps, Ryan Lochte, Connor Dwyer e Townley Hass

 

Para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, podemos considerar a equipe americana como uma das favoritas para medalha de ouro no revezamento citado. Com a aposentadoria de Phelps, somente Lochte tem condições de se tornar o único e primeiro pentacampeão olímpico de história

Ryan Lochte está suspenso das competições por 14 meses e consequentemente fora das principais competições: Pan-Pacífico em 2018, Jogos Pan-Americanos em 2019 e Mundial Esportes Aquáticos da FINA em 2019. Mas a verdade é que ele pode voltar a tempo dos Jogos Olímpicos de 2020.

Michael Phelps sempre será o melhor de todos e a imagem de Ryan Lochte sempre continuará “arranhada”, mas ainda há conquistas a serem alcançadas e ter como meta um possível e inédito pentacampeonato olímpico de natação é algo que pode motivar o nadador pelos próximos dois anos.

Tags

doping Jogos Olímpicos natacao Ryan Lochte Tóquio-2020 USA Swimming

Patrick Winkler

Editor-chefe da SWIM CHANNEL.

Notícias relacionadas